Primeiro-ministro da Itália rejeita que britânicos tenham mais direitos que outros cidadãos de fora da UE

Matteo Renzi (DR)

Os britânicos não podem ter mais direitos do que cidadãos de outros países que não pertencem à União Europeia depois da desfiliação do Reino Unido, e o tema da limitação da liberdade de movimentação com o bloco não será discutido até que conversas formais sejam iniciadas, disse o primeiro-ministro da Itália, Matteo Renzi, nesta quinta-feira.

Matteo Renzi, que se esforça para fortalecer sua popularidade antes de um referendo de Dezembro sobre uma reforma constitucional na qual apostou sua carreira, também criticou o ex-primeiro-ministro britânico David Cameron por realizar a votação que levou à separação da UE para tentar apaziguar seu partido.

Como sinal da importância crescente da Itália na esteira do referendo no Reino Unido, Renzi conversou com a chanceler da Alemanha, Angela Merkel, e com o presidente da França, François Hollande, em seu país no mês passado no momento em que o bloco tenta se unir em reacção ao referendo britânico de 23 de Junho.

Renzi disse respeitar a decisão tomada por 52 por cento dos britânicos a favor da desfiliação, mas afirmou à rede BBC que nenhum acordo poderia dar um status preferencial aos britânicos se comparado àquele de outras nações não filiadas à UE.

“Será impossível dar ao povo britânico mais direitos do que aos outros povos fora da UE”, disse. (Reuters)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA