Presidência da CASA-CE apela à aderência ao Registo Eleitoral

(Foto: Alberto Júlião)

O presidente e vice-presidente da coligação eleitoral Convergência Ampla de Salvação de Angola (CASA-CE), respectivamente, Abel Chivukuvuku e André Mendes de Carvalho, apelaram nesta quinta-feira à massa militante e à população, em geral, a aderir massivamente, ao Registo Eleitoral por constituir acto cívico e de cidadania.

Abel Chivukuvuku e André Mendes de Carvalho falavam à imprensa, depois de os membros do colégio presidencial da sua coligação terem procedido à Actualização do Registo Eleitoral, num posto adjacente à Rádio Nacional de Angola (RNA).

“Cumpri o meu dever cívico e obtive o meu direito de cidadania de poder votar e livremente escolher, em 2017, o governo que entender. Por isso apelo a todos angolanos com idade eleitoral activa, para se registarem em tempo útil”, afirmou Abel Chivukuvuku.

Pede a cada angolano, onde estiver, a procurar pela brigada mais próxima e se registar, para que cada um possa decidir sobre o futuro do país.

“A máquina está afinada “porque temos o propósito de ganhar as eleições de 2017, acto que deve começar pelo Registo Eleitoral”, sublinhou o presidente da CASA- CE.

Informou que, no âmbito da concertação dos partidos políticos, deverá ser requerida ao Tribunal Constitucional, ainda esta semana, a constitucionalidade de determinadas normas, porque, como disse, a tarefa de executar o Registo Eleitoral Presencial é da responsabilidade da Comissão Nacional Eleitoral (CNE) e não do Ministério da Administração do Território.

Acha que ao Ministério da Administração do Território incumbe fazer o Registo Oficioso, incidindo sobre aqueles que no ano de eleições atingem os 18 anos de idade.

O presidente da CASA-CE afirmou que seria bom se o processo decorresse com lisura e transparência e com legalidade.

Um dos vice-presidentes da CASA-CE, André Mendes de Carvalho, declarou que, para si, o Registo Eleitoral é o “primeiro degrau da escada e indispensável, porque sem registo não há eleições, e sem eleições não seria possível operar qualquer mudança em 2017”.

Apelou também aos cidadãos com idade para eleger a estar presentes nas brigadas de Registo Eleitoral.

Corrobora da posição do seu líder, segundo a qual o Registo Eleitoral devia ser presidido pela Comissão Nacional Eleitoral (CNE), nos termos da Cconstituição, e não pelo Ministério da Administração do Território.

Apesar das contestações, os dois dirigentes da CASA-CE apelam a todos os angolanos para participar do Registo Eleitoral.

Fundada a 5 de Janeiro de 2012, a CASA-CE é uma coligação dos partidos Aliança Livre de Maioria Angolana (PALMA), de Apoio para Democracia e Desenvolvimento de Angola – Aliança Patriótica (PADDA-AP), Partido Pacífico Angolano (PPA) e Partido Nacional de Salvação de Angola (PNSA).

Esta coligação política vai realizar na próxima semana o seu II Congresso, que, no essencial, deverá eleger o presidente e vice-presidentes, debater a passagem da CASA-CE a partido político, rever os estatutos e adoptar a estratégia do líder para as eleições de 2017. (Angop)

DEIXE UMA RESPOSTA