Nasce primeiro bebé no mundo da técnica de três pais

(AFP)

O primeiro bebé do mundo a nascer graças a uma nova e polémica técnica empregada por cientistas americanos, que inclui o DNA de três pais no embrião, está saudável, segundo um estudo divulgado nesta terça-feira (27).

O menino que nasceu há cinco meses no México, de pais jordanos, está bem, de acordo com o estudo publicado na revista New Scientist, descrito como “exclusivo”.

A mãe do menino carregava genes de uma doença conhecida como síndrome de Leigh, uma doença do sistema nervoso que passou para seus dois filhos anteriores, que morreram devido a enfermidade. Ela também sofreu quatro abortos.

A mulher, cuja identidade não foi revelada pela New Scientist, e seu marido procuraram a ajuda de John Zhang, um médico do New Hope Fertility Center, na cidade de Nova York, para ter um bebé que fosse geneticamente vinculado a eles, mas que não carregasse a doença hereditária.

Os Estados Unidos não aprovaram o método de três pais como proposta de fertilidade, e então Zhang foi para o México onde, de acordo com a New Scientist, falou que “lá não existem regras”.

Um método aprovado pelo Reino Unido chamado de transferência de fase pró-nuclear, foi considerado inaceitável para o casal, porque isso envolveria a destruição de dois embriões, disse o estudo.

Devido ao fato de a mãe carregar os genes da doença em sua mitocôndria, o DNA transmitido pelo lado materno, Zhang usou seu DNA nuclear e combinou com mitocôndrias de uma doadora de óvulos, em uma técnica conhecida como transferência nuclear de eixo.

“Ele removeu o núcleo de um dos óvulos da mãe e inseriu no óvulo da doadora que teve seu próprio núcleo removido”, segundo o estudo.

“O óvulo resultante – com DNA nuclear da mãe e DNA mitocondrial da doadora – foi fertilizado com o esperma do pai”.

Por enquanto, Zhang e sua equipe disseram que a mitocôndria do bebé foi testada e “encontraram menos de 1% de chance de carregar a mutação”, de acordo com o relatório.

“Com sorte, isso é muito pouco para causar qualquer problema; geralmente acredita-se que seja necessário em torno de 18% da mitocôndria afectada antes de os problemas começarem”.

Além disso, ele garante que o menino não passará adiante qualquer problema do DNA mitocondrial herdado. (Afp)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA