MPLA/BP: Comunicado pelo falecimento do Camarada Manuel Pedro Pacavira, membro do Comité Central do MPLA e Deputado à Asseia Nacional

(Mpla)

MPLA

BUREAU POLÍTICO DO COMITÉ CENTRAL

COMUNICADO

PELO FALECIMENTO DO CAMARADA MANUEL PEDRO PACAVIRA,

MEMBRO DO COMITÉ CENTRAL DO MPLA

E DEPUTADO À ASSEMBLEIA NACIONAL

O Bureau Político do Comité Central do MPLA cumpre o doloroso dever de comunicar o falecimento do Camarada MANUEL PEDRO PACAVIRA, membro do Comité Central do Partido e deputado à Assembleia Nacional, ocorrido nesta Segunda-Feira, dia 12 de Setembro de 2016, em Lisboa, Portugal, por doença.

O Camarada MANUEL PEDRO PACAVIRA, que contava 77 anos de idade, ingressou nas fileiras do MPLA no momento da sua fundação, em 1956, onde destacou-se como um militante bastante activo, que coordenou vários grupos de patriotas dos mais diversos estratos sociais do povo angolano, tendo integrado a primeira Comissão Directiva do Movimento Popular de Libertação de Angola, então coordenada pelo saudoso Presidente Agostinho Neto.

Combatente destemido pela Independência Nacional de Angola, o Camarada MANUEL PEDRO PACAVIRA foi um nacionalista e africanista convicto, que, por causa disso, muito cedo conheceu as cadeias coloniais, tendo nelas permanecido de 1960 a 1974, depois da queda do então regime colonial/fascista, em Portugal.

Fruto da confiança que lhe fora depositada, após a proclamação da Independência Nacional, em 11 de Novembro de 1975, o Camarada MANUEL PEDRO PACAVIRA desempenhou cargos de grande responsabilidade, tanto no MPLA, como no Governo, funções que desempenhou com muito brio e dedicação.

Pelo infausto acontecimento, o Bureau Político do Comité Central do MPLA inclina-se perante a memória deste ilustre combatente da Pátria angolana e, em nome dos militantes, simpatizantes e amigos do Partido, endereça à família enlutada e à Assembleia Nacional, as suas mais sentidas condolências.

MPLA – COM O POVO, RUMO À VITÓRIA

PAZ, TRABALHO E LIBERDADE

A LUTA CONTINUA

A VITÓRIA É CERTA.

Luanda, 12 de Setembro de 2016.

(nota de imprensa enviada à redacção do Portal de Angola com pedido de publicação)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA