MINJUD nomeia novo Administrador para o Estádio 11 de Novembro

Miguel Xisto, o novo rosto do estádio 11 de Novembro. (Foto: PA)

O Estádio 11 de Novembro passa doravante a ser dirigido pelo engenheiro Miguel Xisto, até à altura, consultor do ministro da Juventude e Desportos, Gonçalves Muandumba.

Na presença de membros do Conselho de Direcção, o novo gestor do Estádio, tem orientações para solucionar os principais problemas que afectam aquela importante infraestrutura desportiva, tão massacrada pela falta de manutenção como também das horrorosas críticas de uma certa casta de detractores, que volta e meia, arranjam argumentos para desacreditar a actual direcção do Ministério da Juventude e Desportos.

Localizado na via Expresso Luanda-Cacuaco, o estádio foi construído em dois anos, para acolher o campeonato africano de futebol de 2010.

(Foto: D.R.)
Brindando pelo novo momento. (Foto: D.R.)

Tem uma capacidade de 48 mil lugares e cinco campos de treino relvados. Possui uma vasta área, onde podem ser construídas outras valências que podem valorizar ainda mais o local.

Ao assumir a responsabilidade, Miguel Xisto, promete pôr em evidência todo o saber e experiência, para reverter a degradação em que se encontram alguns sectores do edifício, bem como promover a exploração das áreas comerciais.

Miguel Xisto, ao responder à pergunta formulada por um jornalista considerou que “o estádio 11 de Novembro é a maior infraestrutura do país. E sendo emblemático, como é,  merece um tratamento privilegiado. Neste momento está com muitos problemas.

Vamos identificá-los uma vez mais, porque todos os dias surgem problemas. Vamos tentar estancar e dar uma nova roupagem, uma nova cara, uma nova utilização a essa infraestrutura”.

“Os problemas que o 11 do Novembro tem, são iguais aos de todas as grandes infraestruturas. Por isso não vamos analisar por especificidades. Vamos trabalhar para identificar como um todo. Analisar a situação real do estádio e vamos também trabalhar no longo prazo, de modo a que o estádio possa manter-se por muitos anos”. (PA)

 

 

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA