Ministro exorta efectivos a aprimorarem técnicas de gestão de desastres

Ângelo Veiga Tavares, ministro do Interior, na abertura do 24º Conselho Consultivo de Protecção Civil e Bombeiros (Foto: Joaquina Bento)

O ministro do Interior, Ângelo Veiga Tavares, exortou nesta sexta-feira, em Luanda, os efectivos do serviço de protecção civil e bombeiros, no sentido de aprimorarem as condições de segurança, em matéria de prevenção e extinção de incêndios e gestão de desastres.

O dirigente, que discursava no acto de abertura do 24º Conselho Consultivo Alargado do sector, declarou que a tendência do êxodo populacional para as grandes cidades faz com que alguns cidadãos procurem instalar-se em áreas inadequadas e de risco.

Adiantou que o Serviço de Protecção Civil e Bombeiros, como órgão executivo central do Ministério do Interior, tem responsabilidades acrescidas, perante o crescimento do número de infra-estruturas modernas que o país vem construindo.

Aferiu que quanto mais vastas e complexas forem as infra-estruturas, maiores serão as probabilidades de ocasionarem riscos, vítimas humanas e danos materiais, aumentando assim a necessidade de se aprimorar as condições de segurança em matéria de prevenção e extinção de incêndios.

Apelou, com efeito, aos governos provinciais para uma maior colaboração, no sentido de não permitirem construções anárquicas ou em zonas de riscos “que têm, na verdade, se constituído no maior empecilho no exercício pleno dos bombeiros e nas equipas de protecção civil”.

O governante disse estar convicto de que o exercício desta actividade por parte das distintas administrações municipais deve constituir matéria para avaliação da sua capacidade de gestão.

Para si, as responsabilidades partilhadas têm o propósito de identificar um serviço de protecção civil e bombeiros em todos os seus aspectos.

Em relação ao conselho consultivo, com pendor eminentemente técnico, referiu que o mesmo realiza-se num momento delicado do país, “tendo em conta a difícil situação económica que atravessamos, com reflexos não só nas instituições do Estado, mas também nas famílias e nos cidadãos”.

Apesar desta situação, o ministro disse que a direcção do seu pelouro tem adoptado estratégias que permitem que os seus órgãos cumpram com as suas obrigações consubstanciadas na segurança e salvaguarda da vida das populações e dos seus bens.

“Temos registado com a devida atenção o desenvolvimento da corporação, no qual anotamos uma significativa ascensão na capacidade de esforço, luta e entrega na resposta operativa nas mais distintas ocorrências onde os bombeiros são chamados a intervir na busca de soluções, expondo as suas próprias vidas e meios técnicos a enormes riscos em prol do cumprimento do seu juramento”, expressou.

Assegurou que a direcção do Ministério do Interior vai continuar a apoiar o comando do Serviço de Protecção Civil e Bombeiros, a fim de continuar a garantir uma segurança mais próxima com os cidadãos.

Encorajou os profissionais do órgão a prosseguirem com as suas acções com o mesmo espírito de sacrifício, abnegação e voluntariedade em prol da salvaguarda das vidas humanas e do património nacional.

Disse que os efectivos devem continuar a aprimorar os níveis de disciplina, rigor e zelo, adoptando estratégias voltadas para a redução dos riscos de desastres e a mitigação da perda de vidas humanas e bens resultantes dos acidentes e incidentes.

O ministro manifestou, por outro lado, o seu regozijo pelo número de jovens mulheres que perfilam no Serviço Nacional de Protecção Civil e Bombeiros (SNPCB), tarefa que antes era somente destinada aos homens.

“Hoje registamos com satisfação a presença de mulheres aos mais distintos níveis da corporação com competência, zelo e disciplina e nos próximos tempos chegaremos as metas estabelecidas pela SADC”, exprimiu o ministro.

Ângelo Veiga Tavares espera ainda que os documentos submetidos à apreciação no conselho sejam sujeitos a uma discussão franca, aberta e transparente, em busca de soluções pragmáticas que resultem em mais-valia para o bem comum da sociedade.

O certame, que reúne os comandantes provinciais e altos responsáveis do órgão central do SNPCB, está a avaliar as acções desenvolvidas pelo órgão, no ano transacto, e perspectivar outras.

O Serviço Nacional de Protecção Civil e Bombeiros, dirigido pelo comissário António Vicente Gimbe, é um dos órgãos estratégicos do Ministério do Interior, cujas responsabilidades sociais consubstanciam-se na protecção e na salvaguarda do património público e privado e, fundamentalmente, na protecção de vidas humanas. (Angop)

DEIXE UMA RESPOSTA