Ministro diz que financiamento da educação é forma de distribuição da riqueza

Adão Gaspar do Nascimento, Ministro do Ensino Superior (Foto: Lucas Neto)

O ministro do Ensino Superior, Adão do Nascimento, advogou nesta quinta-feira que o financiamento da educação e do ensino, pelo Estado, é uma das formas privilegiadas de redistribuição da riqueza nacional e de combate à pobreza.

Adão do Nascimento defendeu esta posição na Conferência Internacional sobre o Financiamento do Ensino Superior, que se realiza no Centro de Conferências de Belas, em Luanda.

Segundo o governante, que falava sobre o tema “o conceito de instituição de ensino superior como base para a diversificação das fontes de financiamento de uma instituição de ensino superior”, é uma forma de combate à pobreza e enquanto bem público é da responsabilidade do Estado, contando com a participação da sociedade, através da contribuição das famílias, das iniciativas privadas e das comunidades internacionais.

Adiantou que as instituições de ensino superior precisam de fontes de financiamento seguras para manter a sua sustentabilidade, o que torna necessário valorizar o conceito e torná-las presentes na actuação dos actores e parceiros intervenientes no subsistema de ensino superior.

Outra das fontes, de acordo com o ministro, é consagrar na legislação a obrigatoriedade da diversificação das fontes de financiamento em cada instituição, encorajar à prática da diversificação das fontes de financiamento que, ao longo dos tempos, se torne tradição, bem como a promoção de sistemas de avaliação e de inspecção que permitam a melhoria permanente do financiamento das instituições do ensino superior.

O governante apontou as principais orientações como referência que passam pelo programa do governo do MPLA de 2012-20120, o Plano Nacional de Desenvolvimento de 2013-2017, o Plano Nacional de Formação de Quadros de 2013-2020, o Plano Nacional de Desenvolvimento da Juventude de 2013-2020, entre outros.

Adão do Nascimento considera fundamental que a formação de quadros e técnicos esteja assente num conceito correcto de instituições de ensino superior, em contraposição ao conceito distorcido, caricatural, simplista e mercantilista, que, em certa medida, tende a prevalecer em alguns círculos do subsistema de ensino superior. (Angop)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA