Lunda Sul – Gravidez precoce atrapalha desenvolvimento social da mulher

Casos de Gravidez Precoce duzem (Foto: Arquivo)

O padre diocesano da arquidiocese de Saurimo, Manuel Muliule, afirmou hoje quarta-feira, nesta cidade, que a gravidez precoce, atrapalha o desenvolvimento social da mulher, uma vez que a rapariga queima etapas.

Em declarações à Angop, a propósito da problemática da ‘’gravidez precoce’’, o prelado, frisou ser um fenómeno que afecta a humanidade desde os primórdios, mas a igreja condena esta prática.

De acordo com Muliule, a igreja sempre ensinou que o sexo fora do casamento é pecado contra Deus, e quando acontece uma gestação, a igreja aconselha a cuidarem da mesma e não recorrer ao aborto, por ser uma prática condenável perante a lei de Deus e dos Homens.

Fez saber que quem engravida antes da etapa exacta, o rendimento escolar é muito fraco, não terminam a fase da adolescência como deve ser, queima etapas e passa logo para fase adulta com o futuro já comprometido.

O prelado apontou como uma das principais causas da gravidez precoce, a falta de diálogo nas famílias, atendendo o tabu que ainda existe em falar de sexualidade com os seus filhos.

O padre apontou igualmente a moda e o lucro fácil, como sendo uma das questões que tem influenciado na gestação precoce, tudo porque as raparigas, são menores de idade, não trabalham e querem artigos de valor monetário alto, e em troca envolvem-se sexualmente, e como resultado vem a gravidez antes do tempo.

Para afonte, quem engravida muito cedo, a formação académica como profissional é feita com muitas dificuldades, porque tem outras responsabilidades de cuidar da família que constituiu.

Disse também que a cultura em determinadas regiões de Angola, tem influenciado que as raparigas com idades acima dos 15 anos de idade, constituam família, para não serem descriminadas na localidade.

Aconselhou os jovens a considerarem que os filhos devem ser feitos no momento certo, depois de ganharem uma formação académica ou profissional e com maturidade própria para os cuidar e formar. (Angop)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA