Lunda Sul: Empresários incentivados a divulgar produtos no exterior

Lopes Paulo - Administrador da APIEX (Foto: Quintas Benjamim)

Os empresários nacionais e estrangeiros foram quinta-feira incentivados e encorajados a divulgar e promoverem os produtos angolanos no exterior, sobretudo nos países africanos, com vista a contribuírem na exportação dos mesmos, para permitir a entrada de divisas para o país.

Este incentivo foi feito pelo administrador Agência para Promoção de Investimentos e Exportações de Angola (APIEX), Lopes Paulo, quando intervinha no primeiro fórum provincial sobre Agro-negócios, que decorre sob lema “ Lunda Sul nova fronteira agrícola de Angola”, promovido pelo governo local.

Segundo o gestor, as empresas em Angola produzem apenas com objectivo de satisfazer o mercado local, o que não contribui para o êxito da diversificação da economia nacional, daí a necessidade urgente de se criar condições para se apostar na divulgação e exportação dos produtos angolanos no exterior.

“ As empresas angolanas não devem se limitar, da mesma maneira que os empresários estrangeiros investem em Angola, os nossos empresários também têm que ter capacidade de investir por exemplo na China, no Congo, em Portugal, Estados Unidos ou em qualquer parte do mundo e a APIEX é o vosso suporte para tal, basta apenas ter vontade, coragem e saber arriscar”, encorajou.

Para tal, prosseguiu, é preciso que o investimento nacional e estrangeiro seja qualificado e desejável, trazendo mais-valias para os objectivos da diversificação da economia, criação de emprego e da transferência de rendimentos.

Por outro lado, disse ser objectivo da APIEX captar o investimento privado nacional e estrangeiro, estar solidário com os desafios do governo angolano, no que toca a diversificação da economia e combate as assimetrias regionais, “ uma vez que é muito comum dizer que os investimentos estão concentrados no litoral”.

Serão ainda abordados temas como infra-estruturas de irrigação, florestas disponíveis para extracção de madeira, belezas naturais, áreas selvagens para implantação de parques naturais, rios com caudais propícios para instalação de mini hídricas, ambientes para instalação da agro-indústria.

A actividade reserva ainda visita à comuna de Mona Quimbundo, onde está ser erguida uma escola técnica agrária e a instalação de mais de 100 tanques para criação de alevinos (cacusso).

Participam no fórum empresários nacionais e estrangeiros que actuam em diversos pontos do país, membros do governo local, autoridades tradicionais, eclesiástica, estudantes universitários, entre outras entidades. (Angop)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA