López acredita em êxito de protesto contra Maduro na Venezuela

(AFP)

O opositor venezuelano preso Leopoldo López antecipou que a manifestação convocada para esta quinta-feira em Caracas para exigir o referendo revogatório contra o presidente Nicolás Maduro conseguirá a mudança política na Venezuela, em carta publicada pelo jornal espanhol El País.

“Estamos convencidos de que milhões participarão e que com esta pressão popular e pacífica e o acompanhamento dos democratas do mundo (…) conseguiremos a mudança política”, afirma López em carta escrita na prisão em que se encontra desde 2014.

A oposição espera que esta manifestação, baptizada de “Tomada de Caracas”, seja histórica e pressione o Conselho Nacional Eleitoral (CNE) para ativar o recolhimento de quatro milhões de assinaturas necessárias para realizar o referendo revogatório.

Segundo o instituto Datanálisis, oito em cada dez venezuelanos querem a mudança de governo.

Com uma troca de acusações sobre a busca de uma explosão de violência, a oposição e o governo da Venezuela medirão suas forças nesta quinta-feira nas ruas da capital.

Militares e policiais foram colocados em locais estratégicos para acompanhar o protesto convocado pela opositora Mesa da Unidade Democrática (MUD), que espera reunir, em três grandes avenidas, um milhão de pessoas para exigir que o poder eleitoral acelere o referendo.

Passando para a ofensiva, os chavistas convocaram uma gigantesca mobilização também nesta quinta-feira e a qual chamaram de “Tomada da Venezuela” para, segundo seus dirigentes, “defender a revolução”.

Maduro acusou a oposição de planear um “golpe de Estado” e ameaçou mandar para a prisão dirigentes opositores, caso comece a violência: “Berrem, chorem ou gritem, irão presos!”, sentenciou.

Henrique Capriles, líder opositor, disse que o governo está “desesperado” e tem “medo” de que a manifestação seja gigantesca e, diante disso, pediu a seus seguidores que protestem pacificamente.

O CNE descartou a possibilidade de antecipar a data de recolhimento das assinaturas, reiterando que será feito na última semana de Outubro e advertindo que eventuais distúrbios na manifestação irão paralisar o processo. (AFP)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA