Grupo Lena desmente subornos a José Sócrates

(Foto: D.R.)

O presidente da empresa teria confirmado o pagamento de comissões ao antigo primeiro-ministro, mas as afirmações já foram negadas pelo grupo Lena.

O grupo Lena “desmente total e categoricamente” os alegados subornos a José Sócrates pelo presidente da empresa leiriense, Joaquim Paulo da Conceição. A notícia de que o líder do grupo de construção confessava o pagamento de subornos foi avançada na edição desta sexta-feira do Correio da Manhã, mas é desmentida pela empresa envolvida no processo da Operação Marquês.

Contactada pelo PÚBLICO, a empresa responsável pela comunicação do grupo Lena negou “na totalidade do seu conteúdo” as informações citadas pelo diário e adianta que a comissão executiva do grupo Lena emitirá um comunicado ainda esta sexta-feira.

De acordo com o CM, Joaquim Paulo da Conceição teria prestado um depoimento no DCIAP (Departamento Central de Investigação e Acção Penal) onde confessa ter subornado o antigo primeiro-ministro José Sócrates. “O Grupo Lena desenvolveu contactos, através de Carlos Santos Silva, de forma a procurar obter o apoio do poder político”, teria então afirmado Joaquim Paulo da Conceição.

O jornal cita o CEO do grupo Lena a afirmar que o apoio se fazia “através de José Sócrates e eram realizados pagamentos para este último” com o objectivo de abrir portas e novos mercados para a empresa. O mesmo jornal escreve que Joaquim Paulo da Conceição entregou ao procurador Rosário Teixeira provas de contratos fictícios entre Santos Silva e o Grupo Lena. (Publico)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA