Gabão: nova contagem de votos só pelo Tribunal constitucional

O presidente gabonês Ali Bongo, aqui em visita a Paris em Dezembro de 2013 (Pierre René-Worms/RFI)

A União Africana envia uma missão ao Gabão visando encontrar uma solução ao impasse com a vitória contestada de Ali Bongo nas eleições presidenciais de 27 de Agosto. O presidente cessante só aceitaria nova contagem de votos junto do Tribunal constitucional.

O principal candidato da oposição, Jean Ping, voltou a pedir que se conte de novo os votos em cada uma das mesas na província do Alto Ogooué, facto recusado pelo seu rival nas urnas.

O Alto Ogooué é o feudo da família Bongo, que domina o Gabão desde a independência. Trata-se de uma das nove províncias gabonesas: o presidente cessante obteve aí mais de 95% dos votos e a mobilização dos eleitores atingiu mais de 99%.

Um cenário que permitiu a Ali Bongo ganhar o escrutínio por uma margem mínima perante Jean Ping, homem do sistema que se notabilizara também além fronteiras, nomeadamente como presidente da Comissão da União Africana.

Em entrevista a Sébastien Nemeth, enviado especial da RFI a Libreville, Ali Bongo reiterou a sua posição de que qualquer contestação tenha que passar pelo Tribunal constitucional.

Um órgão tido como partidário pela oposição.

O presidente cessante alega que voltar a contar votos, fora desse contexto, equivaleria a violar a lei gabonesa, particularmente restrita nesse domínio. (RFI)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA