França: Sete candidatos às primárias da Direita

Nicolas Sarkozy é uma dos candidatos às eleições primárias da direita (REUTERS/Philippe Wojazer)

A corrida final às eleições primárias da direita francesa vai contar com sete candidaturas. Esta quarta-feira, foram validados os nomes que vão protagonizar os dois meses de campanha oficial antes do escrutínio de 20 e 27 de Novembro. Em linha de mira, as presidenciais de 2017.

Em França , a Alta Autoridade para as Primárias à Direita validou hoje sete candidaturas para as eleições de 20 e 27 de Novembro. Na corrida às primárias da Direita para eleger o candidato para concorrer às presidenciais de 2017 estão Nicolas Sarkozy, François Fillon, Nathalie Kosciusko-Morizet, Alain Juppé, Jean-François Copé, Bruno Le Maire et Jean-Frédéric Poisson.

De fora ficou o deputado Hervé Mariton do partido Os Republicanos por falta de candidaturas suficientes para apoiar a candidatura.

A RFI falou com uma voz lusófona do partido Os Republicanos, Ana Maria de Almeida, vereadora na Câmara de La Queue-en-Brie, para quem Nicolas Sarkozy é o maior peso pesado da corrida eleitoral.

Os sete candidatos da Direita com ambições presidenciais:

Nicolas Sarkozy, o ex-presidente
Com 61 anos, o ex-presidente (2007-2012) aposta numa campanha à direita para tentar chegar ao Eliseu depois da derrota contra François Hollande em 2012. Após a derrota, em 2012, Sarkozy disse que abandonava a vida política mas, em Setembro de 2014, anunciou o regresso, apresentando-se como candidato à liderança da União por um Movimento Popular, o partido que rebaptizou como Os Republicanos.
A pré-campanha para as primárias foi marcada pelo caso de presumível desvio de fundos para o financiamento da sua campanha presidencial em 2012. Filho de um imigrante húngaro, o político formado em advocacia é casado com a antiga manequim e cantora Carla Bruni.

François Fillon, o antigo primeiro-ministro
Com 62 anos, este antigo e único primeiro-ministro de Nicolas Sarkozy não esconde os desacordos com o antigo chefe de Estado. Discreto e ambicioso, François Fillon aposta numa campanha liberal para se distinguir. É casado, tem cinco filhos e conta com o apoio dos opositores ao casamento gay, prometendo revogar a lei se for eleito presidente da República.

Alain Juppé, a experiência política
Aos 71 anos, este antigo primeiro-ministro (1995-97) e cinco vezes ministro destaca como principal mais-valia a experiência política. Próximo do centro na paisagem política francesa, ele sempre excluiu alianças com a extrema-direita. O antigo presidente Jacques Chirac dizia que ele era “o melhor entre nós”, considerando-o como um dos políticos mais dotados da sua geração. Em 2004 teve de interromper temporariamente a carreira devido a uma condenação a um ano por ineligibilidade. Foi para o Quebeque e quando regressou voltou a ser presidente da Câmara de Bordéus e depois ministro. “Em política, nunca estamos acabados, olhem para mim”, declarou em 2014.

Nathalie Kosciusko-Morizet, a única mulher na corrida
Com 43 anos, Nathalie Kosciusko-Morizet é a única mulher na corrida às primárias da direita. Apresenta-se como uma “ecologista de direita”, defensora da economia digital e apoiante do casamento homossexual. Foi deputada com 29 anos, várias vezes ministra durante a presidência de Nicolas Sarkozy, mas foi derrotada nas eleições autárquicas e não conquistou a Câmara de Paris em 2014. Divorciada e mãe de dois filhos, é vista como um electrão livre, tendo dito, em Março: “O meu principal defeito? Sou chata.”

Jean-François Copé, várias vezes ministro
Com 52 anos, Jean-François Copé foi autarca, deputado e várias vezes ministro, tendo conquistado a presidência do seu partido em 2012 numa eleição contestada. Após esta vitória, foi obrigado a demitir-se em 2014 devido a um escândalo de facturas falsas. A justiça acabou por inocentá-lo.

Bruno Le Maire, antigo ministro da Agricultura
Com 47 anos, o antigo ministro da Agricultura tem uma imagem de tecnocrata altamente diplomado e erudito, mas nos últimos meses tem percorrido o país para criar uma imagem mais próxima do povo. Pai de quatro filhos, Bruno Le Maire é frequentemente acusado de falta de modéstia, nomeadamente devido a uma frase que ficou célebre: “A minha inteligência é um obstáculo…”.

Jean-Frédéric Poisson
Com 53 anos, Jean-Frédéric Poisson é deputado do Partido Cristão-Democrata, uma formação satélite do partido Os Republicanos. Por isso, foi automaticamente qualificado para as primárias. Praticamente desconhecido dos franceses, é doutorado em filosofia, defende a revogação do casamento homossexual e quer registar “as raízes cristãs” de França na Constituição. Em 2015, foi duas vezes à Síria para encontrar-se com o contestado presidente Bashar al-Assad. (RFI)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA