França : Sarkozy de novo frente a justiça

Nicolas Sarkozy em La Baule, França, 4 de Setembro de 2016. (REUTERS/Stephane Mahe)

O ministério público francês pediu hoje de novo a comparência em tribunal do ex-presidente Nicolas Sarkozy, para responder no caso do alegado financiamento ilegal da sua campanha para as presidenciais em 2012.

Nicolas Sarkozy, que era então Presidente de República em exercício, é suspeito de ter participado na falsificação das contas da sua campanha eleitoral de 2012, que ultrapassaram em mais de 23 milhões de euros o montante limite autorizado pela lei francesa.

Com efeito, para garantir o financiamento dos inúmeros comícios do candidato da UMP, Jérome Lavrilleux (então director de campanha de Sarkozy) como também Bastien Millot et Guy Alves (gerentes da agência de comunicação da campanha), organizaram um sistema de contabilidade oculta e de facturas falsas.

Arguido no quadro do “escândalo Bygmalion” (do nome da agência de comunicação de Millot e Alves), Nicolas Sarkozy sempre pretendeu não ter sido informado nem estar ao corrente das falsificações, o que confirmou Jérome Lavrilleux.

O seu advogado Thierry Herzog mostrou-se hoje estupefacto com este anúncio e afirmou que o caso tinha sido encerrado pelo Tribunal Constitucional em 2013, denunciando “uma manobra politica”.

O Defensor de Nicolas Sarkozy declarou: “É com estupefacção que soube que em desprezo de todas as regras do direito, o Ministério Público pede de novo a comparência em tribunal do presidente Nicolas Sarkozy, para julgar factos pelos quais ele não foi indiciado. Tal demonstra – como se necessário fosse – de novo a obstinação ou mesmo o desprezo do respeito pelo código penal. Essa ultrapassagem nas contas da campanha eleitoral foi definitivamente julgada, por uma decisão do Tribunal Constitucional de 4 de Julho de 2013. Em consequência, Nicolas Sarkozy continuará a pedir o respeito pelas regras do direito, em nome do direito e apenas do direito.”

As eleições primárias da direita, nas quais o ex-presidente participa, estão previstas para 20 e 27 de Novembro. (RFI)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA