Canadá financia compra de 100 locomotivas por Angola

Uma agência de crédito do Canadá vai financiar em mais de 340 milhões de euros a compra, pelo Governo angolano, de 100 locomotivas à norte-americana GE, conforme autorização governamental a que a Lusa teve acesso esta quarta-feira.

Em causa está um negócio global que ascende a 382 milhões de euros, autorizado por despacho do Presidente angolano desde junho de 2015, mas que a crise financeira e económica que afeta o país tem vindo a adiar a concretização.

Um despacho presidencial de 15 de setembro último, autorizou entretanto o contrato de financiamento do Governo angolano com a Export Development Canada para este projeto, no valor global de 386 milhões de dólares (343,2 milhões de euros).

A decisão é justificada no documento com o objetivo de “diversificação de recursos financeiros” e garantir a concretização do projeto, lê-se no documento.

Trata-se de um negócio para a compra de 100 locomotivas do modelo GE C30-ACi, por 429.505.114,50 dólares (382 milhões de euros) a fornecer pela empresa AEnergia SA, mas cujos despachos anteriores, agora revogados, previam o financiamento por uma linha de crédito do Eximbank, instituição bancária dos Estados Unidos da América que financia as exportações do país.

A Export Development Canada é uma agência de crédito e financiamento às exportações do Canadá, apoiando empresas nacionais no processo de internacionalização e captação de investimentos, operando em colaboração com o governo canadiano.

Num outro despacho, a mesma agência canadiana é contratada para financiar, dentro do mesmo montante negociado, a modernização e atualização tecnológica das locomotivas GE-U20C, já ao serviço em Angola, que representa um negócio de 24,1 milhões de dólares (21,4 milhões de euros).

Nos últimos dez anos, a reabilitação da rede ferroviária angolana, destruída por quase 30 anos de guerra civil, envolveu a aquisição de 42 locomotivas, 248 carruagens de várias tipologias e 263 vagões.

A reabilitação das três linhas nacionais edificadas durante o período colonial – Caminho de Ferro de Luanda, Caminho de Ferro de Benguela e Caminho de Ferro de Moçâmedes -, envolveu 2.612 quilómetros de rede e a construção de raiz de 151 estações ferroviárias.

Foram investidos neste período, nestas obras, cerca de 3,5 mil milhões de dólares (3,1 mil milhões de euros), executadas por empresas chinesas.

Observador

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA