Cabo Verde: Nova polémica na campanha eleitoral

(VOA)

Em Cabo Verde, o aparecimento do presidente do MpD e primeiro-ministro, Ulisses Correia e Silva, ao lado dos candidatos do partido às eleições autárquicas nos outdors, está a causar mal-estar e tem merecido criticas dos partidos concorrentes.

Os candidatos da oposição e elementos da sociedade civil consideram que não faz sentido o discurso transmitido pelo MpD que vai no sentido de se ter a Câmara e o Governo da mesma cor política para se trabalhar bem, na alusão de que com outros partidos na gestão das autarquias estes fariam brigas e criariam problemas no relacionamento com o Executivo.

Para muitos, a ideia transmitida pelos principais dirigentes e candidatos do MpD durante a campanha para as eleições de 4 de Setembro contraria a mensagem divulgada que vai no sentido do Governo dar tratamento igualitário e trabalhar com todos, independentemente da sua cor política.

Analistas abordados pela VOA consideram que esse discurso lesa a própria democracia e viola o principio de separação de poderes que deve existir entre as diferentes estruturas politica no pais.

Daniel Medina entende ser normal o presidente do MpD participar em programas de campanha dos candidatos do seu partido, mas já não considera razoável o tom e algum discurso proferido pelo também primeiro-ministro.

Para Medina, a afirmação de que votar nos candidatos da oposição significa eleger autarcas que farão guerrilhas no relacionamento com o Governo, constitui um forma de condicionar a liberdade de votos dos cidadãos e belisca a democracia.

A campanha eleitoral para as sétimas eleições autárquicas de 4 de Setembro no arquipélago, termina esta sexta feira, 2. (VOA)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA