Brasil O que será do PT pós-impeachment?

Bandeira do PT durante protesto: sigla vive disputa entre alas que a comandaram na última década e setores reformistas (AP)

Ameaçado por disputas internas e escândalos, partido passa por processo de encolhimento e deve sair ainda menor das eleições municipais. “Sigla precisa mudar programa e renovar sua liderança”, diz analista.

A queda de Dilma Rousseff não encerra as dificuldades do PT. Apesar de não ter figurado sozinho na série de escândalos de corrupção que estouraram nos últimos dois anos, o partido foi a sigla que mais sofreu impacto. Hoje, tem vários nomes na cadeia e está ameaçado por um racha interno.

Mas são as eleições municipais que devem escancarar mais os desafios e o encolhimento do PT pós-impeachment. Em comparação com 2012, o número de candidatos a prefeito filiados ao partido caiu pela metade. Eram 1.829 em 2012. Desta vez, a sigla só vai lançar 992.

Entre os candidatos a vereador, a queda foi similar. Em 2012, o partido lançou quase 41 mil filiados ao cargo. Desta vez, são apenas 21,6 mil. Para efeito de comparação, o PMDB de Michel Temer, que também sofreu acusações de corrupção, vai contar com 2.360 candidatos a prefeito – praticamente o mesmo número de 2012.

A desidratação do partido não está ocorrendo só no número de candidaturas. O PT também vem perdendo quadros que já ocupam cargos. Cerca de um quarto dos 632 prefeitos eleitos pelo PT em 2012 deixaram a sigla, entre eles Luciano Cartaxo, prefeito de João Pessoa, que passou para o PSD. Hoje o partido só governa três capitais. Em 2004, o número chegou a nove.

Ao se desligar do partido, Cartaxo disse que não queria ser penalizado localmente por “questões que acontecem em âmbito nacional”. Hoje ele lidera a corrida à prefeitura com 52% das intenções de voto, um número bem melhor do que o de prefeitos ainda filiados ao PT que tentam se reeleger, como Fernando Haddad, que conta com 9% em São Paulo. Pesquisas mostram que o partido só deve manter o governo de uma capital, a pequena Rio Branco, e tem alguma chance de conquistar o Recife.

Entre os que permanecem, tem vigorado uma posição de se distanciar da imagem do partido. Essa crise de identidade é visível em várias campanhas. Diversos candidatos estão escondendo símbolos da sigla, como a estrela e a cor vermelha. A campanha de Haddad recebeu críticas da direção do partido por estampar uma estrela minúscula em seus cartazes eleitorais. Em Maceió e São José dos Campos (SP), os candidatos resolveram esconder o vermelho de sua propaganda política.

Antigo vice-líder do governo Dilma na Câmara e presidente do diretório paranaense do PT, o deputado Enio Verri admite que o cenário é pessimista. Segundo ele, a tendência é que o partido saia com metade do tamanho atual depois das eleições. Ainda de acordo com Verri, o momento também é apropriado para uma autocrítica.

“Nos sempre questionamos tudo, crescemos sendo diferentes, mas no governo passamos a ter o mesmo comportamento de outras legendas, abrindo mão de alguns valores. Não podemos mais fugir desse aspecto”, afirma.

Brigas internas

Só que essa autocrítica deve depender de lutas internas. No momento, o partido também está ameaçado por disputas entre as alas que comandaram o PT na última década e setores reformistas, que acusam a velha guarda de ter desmoralizado a sigla com escândalos de corrupção.

Entre os reformistas está o ex-governador Tarso Genro, da tendência Mensagem ao Partido, que nos últimos meses vem propondo uma refundação do PT. O gaúcho não esconde sua insatisfação com o grupo que comanda o PT, encabeçado por Rui Falcão.

Recentemente, Tarso acusou a direção nacional de abandonar Dilma quando os caciques rejeitaram a proposta de novas eleições, que vinha sendo uma bandeira da ex-presidente. “Omitiram todos os erros sem um pio. Agora que Dilma aponta, corretamente, querer responder com a soberania popular, direção do PT diz não”, disse Tarso. Na prática, a posição de direção nacional sinalizou um abandono de Dilma.

Outros setores mais à esquerda também não esconderam sua insatisfação com o apoio da direção nacional à candidatura do democrata Rodrigo Maia à Presidência da Câmara, acusando os caciques de insistirem no jogo político que levou o PT à atual crise. A ala reformista até lançou um movimento interno chamado “Muda PT”.

“O projeto do PT continua válido, mas o partido precisa passar por uma fase de debates e discutir como renovar seus quadros”, afirma Dawid Bartelt, diretor da Fundação Heinrich-Böll no Brasil, ligada ao Partido Verde alemão.

O cientista político Rolf Rauschenbach, da Universidade de St. Gallen, na Suíça, concorda. “O impeachment marca o início de uma terceira fase para o PT, depois de um longo período inicial de oposição e 13 anos no governo. A legenda, que antes tinha um programa e apelo popular, hoje não parece muito diferente de outros partidos que são meros veículos para seus caciques. A sigla traiu a própria origem. Eles precisam reformular o programa e trabalhar pela renovação do quadro de lideranças se não quiserem ser jogados em uma vala comum. Isso é uma coisa que vale até para o PSDB”, opina. (DW)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA