As cidades mais atraentes do mundo para viver

(AFP)

Quais são as cidades mais atraentes para viver e trabalhar? Londres, Singapura, Toronto, Paris e Amesterdão lideram a lista de uma consultoria que englobou critérios tão variados quanto qualidade de vida, dinamismo e inovação.

“Cidades de oportunidades”, relatório anual da PricewaterhouseCoopers (PwC), condensa distintas prioridades que alguém pode considerar na hora de escolher o lugar mais interessante do planeta para viver.

Sua intenção é evitar se basear – como outras listas – em critérios excludentes como o custo, ou a qualidade de vida, o acesso à tecnologia, ou as oportunidades de negócios.

O estudo parte do postulado de que “o futuro são as cidades”.

“Não são apenas o lugar para onde as pessoas se mudam, mas para onde se mudam os jovens, em particular”, declara a PwC.

Por essa mesma razão, as cidades devem enfrentar desafios demográficos que demandam respostas complexas – públicas e privadas – que o estudo se propõe classificar.

No total, 30 cidades integram a classificação, entre elas quatro da América Latina, lideradas pela Cidade do México na 23ª posição, seguida por São Paulo (25), Bogotá (26) e Rio de Janeiro (27).

Em sua sétima edição, o relatório da PwC volta a colocar a capital britânica como a mais atraente do mundo, mas esclarece que os dados foram recolhidos em boa parte antes do Brexit, a decisão britânica de abandonar a União Europeia.

Critérios variados

Em Londres, “a cidade mais cosmopolita do mundo”, “se respira a natureza de uma cidade moderna”, declara o presidente da PwC Estados Unidos, Tim Ryan.

“Outras cidades incluídas no estudo são fascinantes de diferentes formas, mas cada uma reflecte a importância tanto dos desafios urbanos como de seu próprio potencial”, acrescenta Ryan.

Outras seis cidades europeias estão entre as 20 primeiras: Paris, em quarta posição, elogiada pela qualidade de vida e por sua “capacidade de resiliência” diante das dificuldades económicas da União Europeia (UE) e dos atentados terroristas, Amesterdão (5), Estocolmo (7), Berlim (12), Madrid (18) e Milão (18).

Nova York caiu de segunda da lista no relatório anterior para o sexto lugar mundial. Nos Estados Unidos, é seguida por São Francisco (8), Chicago (13) e Los Angeles (14).

Toronto, terceira mais atraente do mundo, é elogiada como uma cidade “de serena civilidade”.

Além de Singapura, entre as 30 cidades classificadas há nove asiáticas, entre elas Hong Kong (9), Seul (11) e Tóquio (15).

O estudo permite àqueles que quiserem privilegiar certos tipos de critérios considerá-los separadamente.

Londres chega em primeiro lugar em “capital intelectual e inovações”, “conexões” e “entorno económico”, por exemplo.

Singapura ganha do restante do mundo em acesso tecnológico, transporte e infraestruturas e facilidade para fazer negócios.

Paris e Nova York compartilham o primeiro posto na categoria “demografia e qualidade de vida”, e Mumbai, como a mais barata das 30.

A Cidade do México chega em primeiro pela quantidade de táxis e o conforto de suas temperaturas, enquanto Estocolmo e Sydney não têm rival por sua qualidade de vida ambiental. (AFP)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA