Angola/RCA: Realçado reforço das relações parlamentares

Fernando da Piedade Dias dos Santos (à dir.) e Abdou Karim Meckassoua, presidente do Parlamento da RCA (Foto: Alberto Julião)

O presidente da Assembleia Nacional, Fernando da Piedade Dias dos Santos, realçou nesta quinta-feira, em Luanda, a necessidade do fortalecimento das relações parlamentares entre Angola e a República Centro Africana (RCA), elevando-as ao mesmo nível da cooperação entre os dois governos.

Ao intervir no acto de conversações oficiais entre as duas delegações parlamentares, por ocasião da visita de trabalho do presidente do Parlamento da RCA, Abdou Karim Meckassoua, disse esperar que as relações parlamentares entre os dois países sejam sólidas e capazes de edificar um relacionamento profícuo entre os deputados e as comissões de trabalho especializadas.

Aferiu que o trabalho desenvolvido pelas “chancelarias dos dois Estados” lançou bases relacionais para uma cooperação sólida e assente em vantagens recíprocas para o bem dos dois povos e países.

Com efeito, disse estarem reunidas as condições políticas para que os dois parlamentos também se empenhem no fortalecimento destas relações e contribuam para irmanar, ainda mais, os dois povos e governos.

“Da nossa parte podemos assegurar que encontrarão a maior abertura e disponibilidade para celebrar compromissos duradouros que contribuam para a resolução pacífica dos conflitos da nossa região”, expressou.

Fernando da Piedade Dias dos Santos notou que a República de Angola sempre manifestou a sua disponibilidade para colaborar com todos os povos da região na grande empreitada de construção de uma zona de paz.

“A nossa região é das potencialmente mais ricas do continente, densamente povoada, mas também com focos de pobreza que têm sido explorados pelos inimigos da paz, como factor de mobilização que urge superar”, vincou.

Disse ser imperioso que os processos de integração regional conheçam novas dinâmicas, sejam capazes de criar premissas para uma paz duradoura e uma sã convivência entre os povos da região.

Ainda neste âmbito, o presidente do Parlamento Angolano destacou “o trabalho responsável e empenhado” realizado pelos deputados dos dois parlamentos, que têm participado no Fórum Parlamentar da Conferência Internacional da Região dos Grandes Lagos.

“O nosso compromisso institucional para com esta organização é forte e alicerça-se na nossa crença de que juntos seremos capazes de construir o bem comum: a paz, a prosperidade e a felicidade dos nossos povos”, sublinhou.

Destacou, por outro lado, o facto de o Órgão Legislativo da República de Angola integrar 220 deputados, dos quais 37 porcento mulheres e cinco formações políticas, nomeadamente o partido MPLA (maioritário), a UNITA, a Coligação CASA-CE e os partidos PRS e FNLA.

Em resposta, o presidente da Assembleia Nacional da RCA, Abdou Karim Meckassoua, agradeceu o apoio crucial da República de Angola na estabilização da crise política e consequente realização de eleições livres e democráticas no seu país.

“A história do meu país é dolorosa, marcada por uma crise política e conflito armado, mas graças ao apoio de Angola um Presidente consensual foi eleito, uma Assembleia Nacional foi criada e estamos determinados em seguir o exemplo dos nossos irmãos angolanos e fortalecer as relações parlamentares”, vincou.

Aclarou que o Presidente do seu país e os deputados solicitaram que transmitisse tanto essa gratidão ao povo angolano.

Mostrou-se agradado com a hospitalidade e o dinamismo do povo angolano, que tomou o seu próprio, sob liderança do Presidente José Eduardo dos Santos.

Karim Abdou Meckassoua iniciou nesta segunda-feira uma visita de trabalho a Angola, que se estenderá até sábado, para reforçar a cooperação parlamentar.

Tem ainda agendado encontro com os presidentes dos grupos parlamentares do Parlamento e com o ministro das Relações Exteriores, Georges Chikoti.

Karim Abdou Meckassoua foi eleito presidente da Assembleia Nacional da República Centro-Africana em Dezembro de 2015, num pleito que contou com 30 candidatos ao cadeirão máximo da casa das leis, tendo tomado posse em Abril. (Angop)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA