Agentes desportivos devem aproveitar oportunidades junto dos técnicos da NBA

O ministro da Juventude e Desportos, Gonçalves Muandumba. (Foto: Angop)

O ministro da Juventude e Desportos, Gonçalves Muandumba, disse quarta-feira, em Luanda, que a realização do Campus de Basquetebol sem fronteira em Angola é uma grande oportunidade para os agentes desportivo aproveitarem para trocar experiência com os técnicos e antigas estrelas da NBA.

Em declarações à imprensa durante a cerimónia de abertura do evento, no pavilhão Multiusos do Kilamba, em Luanda, frisou que o basquetebol angolano sempre esperou por este momento, agora, os agentes nacionais devem, junto destas estrelas e técnicos, criar mecanismos para ajudar os atletas angolanos a chegar na melhor liga de basquetebol do Mundo (NBA).

“Alguns basquetebolistas nacionais já foram tentar, sem sucesso, entrar na NBA, mas agora, com esta parceria entre a Federação Angolana de Basquetebol, BWB e FIBA, estou convicto que brevemente teremos um angolano a brilhar nesta liga”, disse.

Apesar de reconhecer o mau momento do desporto nacional, devido às dificuldades financeiras, Gonçalves Muandumba realçou que esta iniciativa das antigas estrelas da NBA, de desenvolver o basquetebol em África, é bem-vinda, por isso agradeceu o responsável da NBA para África, aos técnicos no activo das equipas de renome dos EUA e antigas estrelas por pensarem no desenvolvimento do basquetebol nacional.

(Foto: Joaquina Bento)
(Foto: Joaquina Bento)

Desde 2001, o projecto “Basquetebol sem fronteira” já teve mais de dois mil participantes de 131 países, dos quais 43 já foram seleccionados para a NBA.

A primeira edição do Campus Basquetebol Sem Fronteiras teve lugar na Europa, em Julho de 2001. Vlade Divac (Sérvia) e Toni Kukoc (Croácia) juntamente com antigos colegas de equipa da selecção nacional jugoslava reuniram-se para trabalhar com 50 crianças da Bósnia e Herzegovina e Croácia.

Oitenta e sete jovens de Angola, Congo Democrático, Moçambique, Nigéria, Senegal, África do Sul, Zimbabwe, Zâmbia, Uganda, Rwanda, Tunísia e Tanzânia começaram hoje a participar na 14ª edição do campus de basquetebol sem fronteira.

Os jovens, dois quais 33 do sexo feminino, vão desenvolver actividades desportivas, como jogos de basquetebol, participarão em seminários, visitarão escolas do ensino primário, centro de acolhimento de crianças órfãs e terão a oportunidade de ver os jogos das estrelas da NBA e WNBA  no mesmo pavilhão.

Na comitiva do basquetebol mundial estão nomes como Bismack Biyombo (Orlando Magic), Eric Bledsoe (Phoenix Suns), Luc Mbah a Moute (LA Clippers), Salah Mejri (Dallas Mavericks), Thabo Sefolosha (Atlanta Hawks) e Cody Zeller (Charlotte Hornets).
Antigas estrelas da NBA continuarão apoiar descobertas de talentos em Angola

O vice-presidente e director geral da NBA para África, Amadou Gallo Fall, afirmou hoje (quarta-feira), em Luanda, que a associação Basketball Without Borders “BWB”, integrada por antigas estrelas e outras no activo do basquetebol americano, vai continuar a dar todo o seu apoio na descoberta de valores em Angola.

Em declarações à imprensa, durante a cerimónia de abertura do campus de basquetebol sem fronteira, no pavilhão Multiuso do Kilamba, em Luanda, disse que, pelo que se viu, o país tem potencial para alcançar a grande montra do basquetebol americano (NBA ou WNBA).

O responsável ficou satisfeito quando a Federação Internacional de Basquetebol Associado fez a parceria para trazer pela primeira o basquetebol sem fronteiras a Angola, dado a importância histórica a nível do basquetebol no continente africano.

Amadou Gallo Fall frisou que muitos africanos já alinharam e ainda fazem parte de equipas da NBA, faltando também jogadores de Angola.

“Angola desenvolveu muito, não só a nível de atletas, mas também nas infra-estruturas, como exemplo o pavilhão Multiuso do Kilamba, melhor que muitos países em África que têm jogadores na liga americana”, por isto é que vamos ajudar também os angolanos a chegar lá”, incentivou Amadou Galli Fall.

Para isso, neste primeiro campus sem fronteira África, convidaram os melhores treinadores, como Tom Bialaszewki, de Los Angeles Lakers, Johnnie Bryant (Utah Jazz), Harold Ellis (Orlando Magic), Bj Johnson (Houston Rockets), Sidney Lowe (Washingoton Wizards) e Lloyd Pierce (Philadelpha 76ers) para trabalharem com os masculinos. bem como Duane Brooks (New Orleans Pelicans) e Steve Spiro(Cleveland Cavaliers) que vão ajudar nesta tarefa difícil da descoberta de valores a nível do feminino.

A primeira edição do Campus Basquetebol Sem Fronteiras teve lugar na Europa, em Julho de 2001. Vlade Divac (Sérvia) e Toni Kukoc (Croácia) juntamente com antigos colegas de equipa da selecção nacional jugoslava reuniram-se para trabalhar com 50 crianças da Bósnia e Herzegovina e Croácia.

Oitenta e sete jovens de Angola, Congo Democrático, Moçambique, Nigéria, Senegal, África do Sul, Zimbabwe, Zâmbia, Uganda, Rwanda, Tunísia e Tanzânia começaram hoje a participar na 14ª edição do campus de basquetebol sem fronteira.

Os jovens, dois quais 33 do sexo feminino, vão desenvolver actividades desportivas, como jogos de basquetebol, participarão em seminários, visitarão escolas do ensino primário, centro de acolhimento de crianças órfãs e terão a oportunidade de ver os jogos das estrelas da NBA e WNBA no mesmo pavilhão. (angop)

 

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA