5 hábitos comuns de trabalho que podem colocar você na rua

(Foto: Rex Features)

Você provavelmente já fez algo nessa semana que justificaria uma demissão, caso seu chefe tivesse visto.

O que você não sabe é que talvez ele já esteja ao corrente.

Os patrões têm o direito de monitorizar basicamente tudo que você faz no local de trabalho e com os equipamentos de trabalho (como aquele telemóvel corporativo, por exemplo). Portanto, suas pequenas ‘indiscrições’ podem não ser tão privadas quando você pensa.

Veja aqui cinco hábitos que podem levar a uma demissão.

1) Procurar emprego online

Muitos patrões costumam prestar bastante atenção em empregados que estão à procura de outro trabalho. Se você estiver a fazer isso durante o expediente, provavelmente está violar as políticas da empresa.

O Recruiter Monster descobriu em uma pesquisa de 2011 que 7% dos empregados passam 10 horas por semana em busca de trabalho no horário de serviço, uma grave violação das políticas para uso de internet na maioria das empresas, que pode colocá-lo em risco.

Isso pode estar bem óbvio para o seu chefe. Por exemplo, se você subitamente começou várias amizades com contratantes no LinkedIn, ou se comunica via e-mail com empregadores em potencial, talvez seu comportamento já tenha sido notado.

É melhor deixar esse tipo de coisa para fazer em casa…

2) Usar seu e-mail da empresa para coisas não relacionadas ao trabalho

Não adquira o hábito de tratar seu e-mail de trabalho como se fosse particular, pois ele está longe de ser.

Deborah Sweeney, CEO da MyCorporation.com diz: “Essa é uma das formas mais rápidas e surpreendentes de ser demitido.”

Sempre presuma que seu chefe está ler todos os e-mails que você envia do seu endereço corporativo.

Basicamente, se você estiver a fazer qualquer coisa no local de trabalho, é possível que seu patrão tenha o direito de monitorizá-lo.

De acordo com o Citizens Advice Bureau (Departamento de Aconselhamento aos Cidadãos), empregadores têm o direito de abrir e ler e-mails, verificar registos telefónicos, gravar chamadas e imagens do ambiente de trabalho durante todo o expediente.

3) Não definir sua página do Facebook como “privada”

A maioria dos funcionários não sabe que os empregadores têm direitos ao espionar redes sociais em busca de actividades como uso de drogas ou abuso de álcool.

Os pesquisadores da Universidade de Tecnologia de Queensland descobriram que 60% dos funcionários acreditam ter direito a uma identidade online privada, algo que simplesmente não é verdade.

Na verdade, os patrões podem buscar qualquer informação online com a finalidade de “acompanhar os funcionários”. Inclusive, essa prática já é muito comum como critério de desclassificação para uma vaga de emprego.

4) Reclamar publicamente do seu trabalho

Queixar-se do seu local de trabalho é uma má ideia. A reputação de “chorão” não o levará a nenhum lugar.

A menos que você faça isso online, o que pode levá-lo para rua em dois tempos.

No início do ano, uma jovem funcionária da empresa Yelp escreveu uma carta aberta para o CEO da empresa reclamando sobre seu salário.

A carta rapidamente se tornou viral e ela foi demitida duas horas depois.

5) Vender seus benefícios de empregados

Se o seu trabalho vem com algum tipo de benefícios, como amostras grátis, descontos, tickets ou algo do tipo, guarde para você.

E, definitivamente, não os venda no eBay… .

Como qualquer coisa online, o eBay é muito visível e alguns empregadores costumam procurar no site o que os funcionários vendem, que não deveriam estar a vender.

Fazer isso é uma maneira muito boa – e instantânea – de ser demitido, de acordo com a Xan Raskin Consulting Group. (Yahoo)

por Yahoo Finance UK

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA