Venezuela: Maduro nomeia ministro do Interior general acusado de narcotráfico

O presidente venezuelano, Nicolás Maduro, em Caracas, no dia 28 de julho de 2016 (AFP)

O presidente venezuelano, Nicolás Maduro, designou nesta terça-feira para ministro do Interior o general Néstor Reverol Torres, formalmente acusado pela justiça federal dos Estados Unidos por tráfico de drogas.

“Designei o general Néstor Reverol Torres como novo ministro do Interior, Justiça e Paz”, disse Maduro em um ato público no qual o militar estava presente.

Maduro lembrou que ao ocupar cargo semelhante há alguns anos o general Reverol “quebrou o recorde de captura de narcotraficantes”.

Na segunda-feira, Reverol e outro militar encarregado no passado do combate às drogas na Venezuela foram acusados, à revelia, de participar de uma rede de tráfico de drogas que introduziu cocaína no território americano.

Segundo a Promotoria Federal de Nova York, Reverol, 51, e Edylberto José Molina Molina, 53, “utilizaram suas posições de poder para facilitar a operação de organizações do narcotráfico”.

Reverol foi director do Escritório Nacional Antidrogas (ONA) e comandante da Guarda Nacional da Venezuela, e Edylberto José Molina Molina, ex-subdirector da ONA.

A acusação, decretada por um júri popular do Brooklyn, envolve crimes cometidos entre 2008 e 2010, quando os dois trabalhavam na ONA.

A Promotoria afirma que Reverol e Molina receberam dinheiro de narcotraficantes em troca de informações sobre operações policiais que permitiram a saída de carregamentos de drogas do país.

A dupla também agiu para liberar drogas apreendidas e libertar suspeitos, impediu prisões de narcotraficantes e bloqueou a deportação de condenados por tráfico de drogas.

De acordo com os promotores, Reverol e Molina definitivamente ajudaram grupos de narcotraficantes a “introduzir cocaína para sua distribuição nos Estados Unidos”.

O promotor federal do distrito leste de Nova York, Robert Capers, denunciou o que chamou de “o mais insidioso e perigoso aspecto do narcotráfico internacional – a habilidade dos cartéis de infiltrar e corromper os mais altos escalões do governo”. (AFP)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA