Swazilândia: SADC implementa programas de desenvolvimento regional

SADC (DR)

Duzentos e trinta e seis projectos, com custos estimados em 398 mil milhões de dólares, poderão ser implementados nos países membros da SADC, a curto e médio prazos, declarou o ministro angolano do Planeamento, Job Graça.

O governante falava à imprensa, à margem da 36ª Cimeira da Comunidade de Desenvolvimento da África Austral (SADC), aberta nesta terça-feira, em Mbabane, capital do Reino da Swazilândia.

Declarou que os custos de tais projectos, distribuídos nos sectores da energia, águas, transportes, das telecomunicações e tecnologias de informação e turismo estão, entretanto, acima dos recursos financeiros disponíveis pela organização regional.

Para tal, disse o ministro, será necessário organizar uma conferência internacional de investidores para o financiamento de tais projectos.

Referiu que o conselho de ministros da SADC definiu a elaboração de um plano coerente e realista, com enfoque na preparação desses projectos, com vista a torná-los bancáveis.

No total, foram identificados 397 projectos ao nível dos países membros da SADC, dos quais 236 já têm custos estimados, esperando-se apenas pela sua cabimentação, explicou.

Segundo o ministro Job Graça, os projectos devem, em princípio, ser implementados no período de 2015 a 2020.

Fez saber que, a nível nacional, foram abrangidos o projecto transfronteiriço de águas do Cunene, a segunda fase das águas do Lubango, bem como o projecto de ligação da rede ferroviária do corredor do Lobito para a Zâmbia e RDC.

Um dos pontos importantes da agenda da 36ª Cimeira de Chefes de Estado e de Governo é a situação da implementação do Plano Indicativo Estratégico de Desenvolvimento Regional (RISDP).

Para o ministro do Planeamento, a implementação do Plano Estratégico Indicativo Regional é claramente um aspecto importante da agenda de desenvolvimento da África Austral.

Este plano visa providenciar a direcção estratégica para a organização e a operacionalização da agenda comum da SADC.

É um plano de 15 anos que está a ser implementado desde 2005, em fases de cinco anos cada.

O RISDP é indicativo por natureza e articula as condições necessárias para o alcance das metas de integração e desenvolvimento regional da SADC, com vista a facilitar a monitoria e avaliação do progresso, fixando balizas e prazos conducentes ao alcance das metas nos vários campos de cooperação.

A Cimeira de Mbabane realiza-se sob o lema “Mobilização de Recursos para os Investimentos em Infra-estruturas Energéticas Sustentáveis com vista a uma Industrialização Inclusiva e Próspera da Região”.

Integram a SADC Angola, África do Sul, Botswana, República Democrática do Congo (RDC), Lesotho, Madagáscar, Malawi, Maurícias, Moçambique, Namíbia, Swazilândia, Tanzânia, Zâmbia, Zimbabwe e Seicheles. (Angop)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA