Rio2016: Cerimónia de abertura com angolano na coreografia

Bailarino angolano esteve no bloco geometrização de Déborah Colker Foto: Cedida a Angop)

No meio de anónimos e famosos, Geovani de Carvalho, bailarino técnico contemporâneo angolano, contribuiu para o sucesso coreográfico da cerimónia de abertura dos Jogos Olímpicos Rio 2016, na noite de sexta-feira, madrugada de sábado em Luanda.

A presente edição seguiu a tradição de anteriores, contando a história do país-sede e do seu povo. A coreógrafa Deborah Colker, uma das mais renomadas da dança brasileira, é quem assinou a coreografia do espectáculo. Mas poucos poderiam imaginar que havia angolano no meio dos artistas da primeira edição na América do Sul do maior evento desportivo do planeta, encantando o público dentro e fora do Estádio.

Entrou para o projecto de Déborah apenas por diversão, para passar tempos livres, porém acabou envolvido com o convite da coreógrafa, que notou no angolano, natural de Luanda, talento para festa do desporto e integrou-o no bloco Geometrização.

Geovani de Carvalho, 28 anos de idade, é produto do concurso Bounce em Angola, promovido pela Semba Comunicação. Encontrou oportunidade de mostrar seu valor no Rio de Janeiro, onde vive há quatro anos, após ter-se casado com uma brasileira.

A inquietação e o gosto pela diversidade não se tornaram marca do trabalho de Deborah Colker por acaso. Criada entre a solidão do estudo do piano clássico e a prática de voleibol, a coreógrafa carioca iniciou-se na dança contemporânea como bailarina do Coringa, da uruguaia Graciela Figueiroa, grupo que marcou época no Rio de Janeiro dos anos 1980.

Em 1994, a Companhia de Dança Deborah Colker subia à cena pela primeira vez no palco Teatro Municipal do Rio de Janeiro, um dos mais importantes do país, dividindo a noite com o Momix, o prestigiado grupo de Moses Pendleton. (ANGOP)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA