Queimadura, estupro, surra, choque eléctrico: Amnistia relata terror nas prisões sírias

(AFP)

Espancamento, choque eléctrico, queimaduras em água fervente, estupros: o governo sírio recorreu à tortura “em larga escala” em suas prisões, onde mais de 17.700 detidos morreram em cinco anos de guerra – informa a Amnistia Internacional nesta quinta, denunciando “uma crueldade em sua forma mais vil”.

“Eles nos tratavam como animais. Eu vi o sangue correr, como um rio”, conta o advogado Samer, referindo-se aos guardas do período em que esteve preso.

Seu testemunho é um dos 65 relatos de ex-detidos que amargaram nas prisões dos serviços de Informação do governo e na prisão militar de Saydnaya, perto de Damasco. Esses relatos foram reunidos pela Amnistia.

Nesses locais, os actos de tortura são “generalizados e sistemáticos contra todos os civis suspeitos de serem contra o governo”, acrescenta a ONG em seu relatório, denunciando “crimes contra a Humanidade”.

À Amnistia, eles descreveram sinistros rituais, como a “festa de boas-vindas”. Nela, os novos detidos são “espancados” com barras de ferro, de plástico, ou com cabos eléctricos.

Omar S. disse que um agente penitenciário obrigou um homem a se despir e ordenou que violentasse um terceiro. Seria morto se não obedecesse.

O militante anti-governo Said contou que foi violentado, na frente de seu pai, com um bastão eléctrico, sendo pendurado de um único braço e com os olhos vendados.

Outro ex-preso “conta que um dia a ventilação parou de funcionar, e sete pessoas morreram sufocadas” nos centros de detenção lotados, acrescenta a Amnistia.

“O carácter sistemático e deliberado da tortura e de outros tratamentos ruins na prisão de Saydnaya testemunha uma crueldade em sua forma mais vil e uma falta flagrante de humanidade”, denuncia o director da Amnistia para o Oriente Médio e o Norte da África, Philip Luther.

Em Saydnaya, onde é muito frio no inverno, os presos eram mantidos por semanas em celas subterrâneas, sem qualquer agasalho.

Para não morrer de fome, muitos disseram ter comido caroços de azeitona e casca de laranja.

Denunciando “processos perversos”, a Amnistia Internacional reclama ainda da “comida insuficiente, dos cuidados médicos limitados e da ausência de instalações sanitárias adaptadas” nas prisões, “um tratamento desumano e cruel”.

Pelo menos 17.723 presos morreram atrás das grades desde o início da guerra no país, em março de 2011, o que representa, em média, mais de 300 óbitos por mês, segundo a Amnistia.

A organização alerta que os números reais são bem mais elevados.

Vários detidos foram soltos após diferentes amnistias decretadas pelo governo nos últimos anos, ou graças à troca de presos, ou depois de serem processados, e se encontram em locais não especificados. (AFP)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA