PCUP culpa UNITA por confrontos no Zango

(VOA)

Estado-Maior inicia investigação. UNITA rejeita acusação como “pura mentira” e fuga à responsabilidade.

O comandante do Posto Comando Unificado Permanente, pertencente à Região Militar de Luanda acusou a UNITA de ser responsável pelos confrontos no bairro Walale, Zona do Zango 2 que resultaram na morte a tiro de um jovem de 14 anos de idade.

A UNITA nega veementemente a acusação que surge ao mesmo tempo que o Estado Maior General das Forças Armadas diz ter aberto uma investigação sobre o ocorrido.

Segundo o Coronel Silvano Ndongua, que comanda o Posto Comando Unificado Permanente, e dirige as tropas no local das demolições, a morte do menor Rufino Marciano António, foi fruto da deslocação de uma delegação da UNITA, composta por dois autocarros que incitou o ódio ás populações que com paus, garrafas de gasolinas e pedras tentarem queimar máquinas que destruíam as residências.

As autoridades afirmam que as residências foram construidas ilegalmente.

Ndongua, diz que as suas forças não sabem precisar se o tiro que atingiu Rufino foi dado por indivíduos da UNITA ou pelas suas forças, uma vez que houve troca de tiros.

O comandante disse que que Uma delegação da UNITA tinha visitado o local e dois dias depois apareceram “dois autocarros com membros da UNITA”.

Posteriormente, disse, atacaram as forças de segurança “ninguém sabe perfeitamente quem deu tiro”.

“Olha que os membros da UNITA vieram com paus, pedras e garrafas de combustível”, acrescentou.

Uma delegação da UNITA visitou efectivamente o local mas afirmou há dias atras que essa delegação que incluía parlamentares tinha sido “escorraçada a tiro” do local.

Em comunicado de imprensa o Estado-Maior General alertou a população para evitar o confronto com militares e afirma ainda que foram encontradas duas armas de fogo naqueles incidentes. No seu comunicado o Estado-maior disse que iniciou uma investigação para “esclarecimento do grave acidente”.

Segundo o coronel Silvano Ndongua, três militares das suas forças encontram-se gravemente feridos como resultado dos confrontos maso comunicado do estado-maior não faça qualquer menção disso.

A UNITA na pessoa do seu Vice-presidente e deputado á Assembleia Nacional, Raul Danda negou as acusações e afirma que o chefe do estado deve punir os culpados.

“É uma mentira grosseira dizer-se que é a UNITA que está por detrás de tudo isso”, disse Danda.

“Andam aos tiros armados de machos com armas e depois querem fugir à responsabilidade”, disse Danda para quem “falta pouco para dizer que a UNITA é que mandou partir as casas” .

Ontem mesmo os populares pediram a exoneração do tenente-general Simão Carlitos Wala, uma solicitação dirigida ao presidente da republica e comandante em chefe José Eduardo dos Santos.

Para alem do adolescente de 14 anos, um bebé também morreu quando uma pá escavadora destruiu a sua casa decapitando-o. O bebé foi identificado como sendo António Sebastião Lukoki Baptista.

Dois adultos também morreram. Josefa Francisco Arcénio de 42 anos de idade morreu aparentemente por uma trombose quando a sua casa foi destruída e um outro adulto não identificado morreu com ataque de coração. (VOA)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA