Mineiros armados com explosivos bloqueiam estradas na Bolívia

(REUTERS)

Mais de 5 mil trabalhadores da mineração protestam contra mudança em lei sindical. Bloqueios em rodovias atingem 11 pontos do país pelo segundo dia consecutivo. Governo convoca reunião com manifestantes.

Mais de 5 mil mineiros armados com explosivos bloquearam nesta quinta-feira (11/08) diversas rodovias em seis regiões da Bolívia, pelo segundo dia consecutivo. Os trabalhadores protestam contra uma mudança na legislação sobre a criação de sindicatos.

O maior bloqueio acontecer na região de Mantecani, onde cerca de mil mineiros fecharam a rodovia que liga La Paz e Oruro. Segundo o ministro boliviano do Interior, Carlos Romero, mais de 5,2 mil trabalhadores da mineração armados com explosivos bloqueiam estradas em onze pontos do país. Romero disse ainda que a polícia trabalha para liberar as rodovias.

Os mineiros ligados à Federação Nacional de Cooperativas de Mineração da Bolívia (Fencomin) protestam contra a mudança na lei que obriga a criação de sindicatos dentro de cooperativas. Os manifestantes consideram a medida prejudicial para essas instituições. O governo convocou uma reunião com dirigentes de cooperativas para negociar o fim dos bloqueios.

Os bloqueios tiveram início na quarta-feira. Policiais e manifestantes entraram em confronto, deixando vários feridos. Dezenas de agentes de segurança foram feitos reféns pelos mineiros. Após a decisão do governo de liberar cerca de 50 manifestantes presos, os policiais foram libertados.

O governo acusa os mineiros de tentar, com os protestos, modificar a lei de mineração para permitir que cooperativas assinem contratos de arrendamento de suas concessões com empresas privadas.

O vice-presidente da Confederação Nacional de Cooperativas da Bolívia, Albino García, lamentou a violência dos protestos e a apoiou a reivindicação dos mineiros. “Não queremos permitir nenhuma sindicalização em nosso setor cooperativo”, ressaltou. (DW)

CN/efe/dpa

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA