Lunda Sul: Defendida maior parceria entre jornalistas e outros sectores

Maria Waria - Directora provincial da Comunicação Social (Foto: HÉLDER DIAS)

A necessidade de se melhorar a parceria entre os órgãos da Comunicação Social e outros sectores, para construção de uma ponte que una e facilite o diálogo entre aqueles que definem e administram as políticas públicas, foi defendida quinta-feira, em Saurimo, província da Lunda Sul.

Este apelo foi feito pela directora provincial da Comunicação Social, Maria Waria, quando falava à Angop à margem do seminário de capacitação sobre adequação e humanização da comunicação institucional e imprensa, que está ser dirigido aos técnicos do gabinete de comunicação e imagem dos vários órgãos do Ministério do Interior.

Para tal, a responsável defendeu maior abertura das fontes de informação, sobretudo dos responsáveis das instituições públicas, com vista a facilitar o trabalho dos jornalistas que é recolher, tratar e divulgação informações de interesse/impacto social.

Reconheceu as dificuldades que os jornalistas passam para obter informação em determinadas instituições públicas e privadas, por indisponibilidade dos responsáveis, tendo defendido a necessidade de haver maior diálogo entre as fontes e os profissionais da comunicação social, para evitar especulação no tratamento das notícias.

” A informação quando é transmitida com qualidade e difundida no momento oportuno com linguagem clara e objectiva transforma-se num poderoso instrumento para favorecer as acções e políticas de qualquer sector junto da sociedade”, disse.

Na ocasião, reconheceu que apesar de ainda existir este problema, contrariamente aos anos anteriores, hoje já se verifica algum avanço na relação fonte-jornalista, fruto da evolução do processo político, onde alguns responsáveis de cargos públicos sentem a necessidade de dar a conhecer tudo aquilo que realizam em benefício do país.

Por outro lado, incentivou os jornalistas a apostar cada vez mais num jornalismo de investigação, com vista a ultrapassarem, nalguns casos, as dificuldades que enfrentam na recolha de dados a partir de titulares de cargos públicos.

Para ela, os jornalistas devem ir à busca das informações e não esperarem apenas que as fontes façam convocatórias para a cobertura dos eventos.

Durante dois dias, os participantes vão abordar temas ligados à organização de eventos institucionais, publicidade e marketing institucional, técnicas de elaboração de notícias, comunicação em tempo de crise, técnicas de entrevistas e reportagem fotográfica, preparativos de uma conferência de imprensa, captação, tratamento e produção de imagens, gerenciamento de um portal e técnicas na elaboração de discursos. (ANGOP)

Angop/hd

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA