João Galamba. Passos tem “alucinações com o diabo e pouco contacto com a realidade”

(ANDRÉ KOSTERS/LUSA)

“Números de execução orçamental são objetivamente positivos”, diz João Galamba, porta-voz do PS. Passos Coelho “não conhece nem leu o orçamento que ele próprio está agora a criticar”, acusa.

O porta-voz do PS, João Galamba, criticou hoje as declarações feitas no sábado à noite pelo presidente do PSD, Pedro Passos Coelho, sobre a execução orçamental, frisando que os números são “objetivamente positivos”.

“[As críticas]Não têm qualquer fundamento. Pedro Passos Coelho, depois das suas alucinações com o diabo, parece ter perdido um pouco o contacto com a realidade e agora decidiu criticar números de execução orçamental que são objectivamente positivos”, disse à Lusa o deputado socialista.

Galamba disse parecer que Passos Coelho “não conhece nem leu o orçamento que ele próprio está agora a criticar”.

“Parece ter esquecido que em contabilidade pública, que é aquilo o que foi falado ontem [sábado], o défice está a baixar cerca de 450 milhões de euros face ao ano passado”, salientou.

“Só que o objectivo anual, em contabilidade pública, é que aumente 900 milhões de euros, e o que ele parece estar a falar como se fosse expectável é que a contabilidade pública, que é diferente da nacional, baixe. Não! É suposto que ela aumente. E o facto de estar a baixar mais de 400 milhões mostra que a execução orçamental está no bom caminho”, acentuou.

“É um exercício difícil, como sempre dissemos, mas não há qualquer fundamento para as declarações de Passos Coelho ontem [sábado]”, sustentou o porta-voz do PS.

O presidente do PSD avisou, no sábado à noite, que face à execução orçamental conhecida o défice, no final do ano, poderá até ser superior ao verificado em 2015.

“Tudo aponta para que o que temos à nossa frente seja, portanto, um caminho que já não é de voltar ao défice do ano anterior, é de poder até ficar além desse défice”, afirmou o ex-primeiro ministro.

Passos Coelho falava em Paços de Ferreira para cerca de 600 militantes que participavam num jantar de homenagem aos autarcas locais, onde recordou que em Junho de 2016 a diminuição do défice, face ao mesmo mês de 2015, era de 900 milhões. Um mês depois, acrescentou, esse valor diminuía para cerca de 500 milhões. (Observador)
por Lusa

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA