Ler Agora:
Imposto escondido com poder de compra de fora
Artigo completo 3 minutos de leitura

Imposto escondido com poder de compra de fora

Quem não tiver aumentos em 2015 e 2016 vê o salário real cair 33%. Inventar formas de minimizar as perdas provocadas pela inflação galopante é o grande desafio

Depois de ter baixado a barreira dos 10%, em Agosto de 2012, pela primeira vez desde que há registos, e atingido um mínimo de de 6,9%, em Junho de 2014, a inflação em Angola, medida pela variação homóloga do índice de preços no consumidor na Província de Luanda do Instituto Nacional de Estatística (INE), não parou de subir, fixando-se nos 35,3% em Julho passado, máximo de quase 12 anos.

A culpa do regresso do fantasma da inflação é da desvalorização do kwanza. Depois de ter passado praticamente incólume à subida dos direitos aduaneiros e ao aumento dos combustíveis, a inflação não resistiu ao trambolhão da moeda nacional. Quando uma moeda desvaloriza os produtos importados tornam-se mais caros. Numa economia, como a angolana, que não tem produção doméstica e compra fora uma parcela significativa do que consome, a subida da inflação torna-se inevitável.

Enquanto os preços disparam os salários estão estacionados há, pelo menos, dois anos. A inflação é um imposto escondido porque os aumentos dos salários não acompanham o ritmo de crescimento dos preços, corroendo o poder de compra dos trabalhadores. Ou seja, tal como o imposto sobre os rendimentos do trabalho, a inflação acaba por reduzir o rendimento real de quem vive do salário.

De acordo com os meus cálculos quem não tiver aumentos em 2015 e 2016 terá uma perda de poder de compra da ordem dos 33% – considerando a taxa de inflação média de 10,3% no ano passado e admitindo para este ano uma taxa média de 34,2% no ano corrente. A taxa média é mais adequada do que a homóloga para efeitos de cálculos de poder de compra, porque reflecte o aumento médio dos preços ao longo de 12 meses e não entre dois meses de anos consecutivos.

Como é reconhecido por (quase) todos, a actual crise económica e financeira, não permite ao Estado e à maior partem das empresas aumentar os salários de forma a repor a totalidade do poder de compra. Não sendo possível repor o poder de compra na totalidade tem de se avançar para soluções intermédias, como fez a Odebrecht que acordou com os trabalhadores um aumento geral de 10%. Com a inflação galopante tudo o que puder ser feito para minimizar as perdas de poder de compra é bem-vindo. E se não for possível aumentar todos creio ser de elementar justiça inventar formas de, pelo menos, aumentar os salários mais baixos. (expansao)

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado. Os campos com são obrigatórios *

Input your search keywords and press Enter.
Translate »