Huíla quer potenciar o desenvolvimento

O resort “Kimbo do Soba” é uma das referências turísticas e hoteleiras da cidade do Lubango. (Foto: D.R.)

o Chefe do departamento de Hotelaria e Turismo destaca avanços que o sector regista e que  podem ajudar a dinamizar economia.

A província da Huíla tem potencial e pode apoiar o processo de diversificação da economia nacional, através do sector da hotelaria e turismo, admitiu, recentemente, o chefe do departamento de Hotelaria e Turismo, João Silvestre Figueiredo.

Em declarações à Angop, no Lubango, para falar das potencialidades da província da Huíla no sector do turismo, no âmbito do programa de diversificação da economia, João Silvestre Figueiredo explicou que a província é a terceira no país com condições de acumular receitas advindas deste sector.

Para o responsável, a província conta com inúmeros sítios de interesses turísticos, assim como de outras infra-estruturas necessárias ao desenvolvimento da actividade, como estradas, comunicações, hotéis e restaurantes.

Nova dinâmica

De acordo com João Silvestre Figueiredo, o sector precisa de um novo impulso, principalmente de investimentos, pois a sua exploração pode gerar emprego e riqueza.

A par dos sítios turísticos, o gestor explicou que a Huíla possui uma rede de hotéis capaz de acolher turistas e investidores, um suporte vital para a sustentabilidade do turismo, já que praticam os preços mais baixos do país.

Indicou que a direcção da Hotelaria e Turismo controla dez hotéis, 16 pensões, 15 aldeamentos turísticos e 76 hospedarias, perfazendo 117 unidades com mil e 902 quartos e duas mil e 453 camas, 22 agências de viagem, 20 centros turísticos, 606 restaurantes e similares.

Taxa de ocupação

João Silvestre Figueiredo disse que a taxa de ocupação nas unidades hoteleiras na província da Huíla subiu de 30 para 50 por cento, este mês, motivado pelas festas da Senhora do Monte, numa província com mais de duas mil camas.

O responsável afirmou que taxa é considerada razoável, uma vez que a intenção dos representantes das unidades hoteleiras existentes na província é chegar a cem por cento, o que pode acontecer no último fim-de-semana do mês, dedicado ao encerramento das festas.

João Silvestre apontou o elevado número de unidades hoteleiras disponíveis e a sua qualidade, o que permitiu muitos cidadãos a procurarem a província.

Informoun que até 2010, a taxa de ocupação esteve sempre próximo dos cem por cento, mas devido à crise a situação caiu, acreditando que futuramente a mesma possa ser diferente.

Quanto aos preços, avançou que são dos mais baixos praticados no país.

João Silvestre considerou que a qualidade dos serviços prestados pelo sector é de nível internacional, apesar das dificuldades ligadas à distribuição de electricidade e água, o que obriga os operadores usarem quase que permanentemente fontes alternativas. (jornaldeeconomia)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA