Homens armados com fuzis e bombas atacam Universidade Americana do Afeganistão

Estudantes são retirados pelas forças de ordem afegãs de dentro do campus da Universidade Americana do Afeganistão, depois do ataque perpetrado na noite desta quarta-feira (24). (REUTERS/Mohammad Ismail)

A Universidade Americana do Afeganistão (AUAF), na capital Cabul, foi alvo de um ataque nesta quarta-feira (24), perpetrado por homens armados com fuzis e explosivos. Centenas de funcionários, professores e estudantes ficaram presos dentro das salas de aula. Segundo as autoridades afegãs, há ao menos um morto e 14 feridos.

De acordo com o Ministério do Interior do Afeganistão, as forças de segurança cercaram o campus e neutralizaram os agressores. Cerca de 70 militares afegãos fazem a segurança permanente do local, mas reforços foram enviados para ajudar na operação, inclusive conselheiros militares americanos.

Vários estudantes foram retirados pelas forças afegãs do local, sem mencionar se os agressores fizeram reféns. “Não temos certeza do número de pessoas que participaram do ataque, mas começamos as ‘operações de limpeza”, declarou o porta-voz do Ministério do Interior, Sediq Sediqqi.

Ambulâncias circulam no campus, onde tiros esporádicos ainda podiam ser ouvidos, algumas horas após o início das violências. As autoridades indicaram que havia ao menos um morto e 14 feridos, antes do final da operação das forças afegãs. O balanço ainda não é definitivo.

Nenhum grupo assumiu até o momento a autoria do ataque. O incidente é registado duas semanas depois que dois professores, um australiano e um americano, foram sequestrados.

Pedido de socorro nas redes sociais

O ataque começou no início da noite, na Universidade Americana do Afeganistão, em Cabul. De dentro do prédio, estudantes conversavam com a imprensa e postavam mensagem nas redes sociais pedindo socorro. Entre eles, estava o fotojornalista da Associated Press e prémio Pulitzer, Massud Hossaini.

“Estou preso dentro da minha sala de aula com outros colegas. Estamos com muito medo”, informou um jovem à AFP por telefone.

As vítimas também indicaram que havia tiros e explosões. “Nossa sala está cheia de fumaça e poeira”, escreveu um outro universitário no Twitter.

Intercâmbio com universidades americanas

A AUAF conta com 1.700 estudantes e têm várias parcerias e programas de intercâmbio com célebres universidades dos Estados Unidos, como Georgetown, Stanford e Universidade da Califórnia.

A instituição se apresenta como o único estabelecimento de ensino superior privado e misto do Afeganistão, república islâmica onde homens e mulheres não podem estudar juntos. (RFI)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA