Evempresa inaugura primeira loja em Luanda

ram à loja para adquirir os produtos com qualidade natural. Nesta fase inicial criou nove postos de trabalho directos aos jovens angolanos, distribuídos nas áreas de produção (laboratório), administração e vendas. A Evempresa existe há 7 anos no mercado europeu (República Checa), mas este ano transferiu a sua tecnologia para Angola. (Foto: D.R.)

A unidade está vocacionada para a produção e comercialização de cosméticos provenientes de matéria-prima nacional.

Uma empresa angolana de cosméticos naturais, denominada “Evempresa – Cosméticos LDA”, foi inaugurada, recentemente, em Luanda, com o objectivo de combater as doenças da pele e dar melhor utilidade à matéria-prima nacional.

A firma produz e vende cosméticos naturais da marca “Charme Natura” como sabonetes corporal, champô, água hidratante, sais minerais para o banho, velas naturais e aromáticas, além de esponjas marinhas para o corpo, cremes e protectores labiais, feitos com mão-de-obra angolana.

Segundo o director-geral da empresa, Eurico Adolfo, os cosméticos são feitos com base à matéria-prima nacional como o óleo de coco, semente da abóbora, a manteiga de manga, óleo da semente de múcua, semente de maracujá entre outros vegetais existentes.

Referiu que a sua firma tem a capacidade para fabricar diariamente mil unidades de cada produto, que fazem rejuvenescer a pele e combater muitas doenças corporais, como a acne e espinhos do rosto.

Na sua óptica, a acção da sua empresa enquadra-se igualmente no processo de diversificação económica que o país regista para reduzir a importação e aproveitar os recursos naturais locais.

O acto de inauguração da Evempresa foi marcado pela afluência de pessoas que acorreram à loja para adquirir os produtos com qualidade natural.

Nesta fase inicial criou nove postos de trabalho directos aos jovens angolanos, distribuídos nas áreas de produção (laboratório), administração e vendas.

A Evempresa existe há 7 anos no mercado europeu (República Checa), mas este ano transferiu a sua tecnologia para Angola. (jornaldeeconomia)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA