Estádio da Tundavala em estado de abandono

(DW)

Infraestrutura de 70 milhões de dólares que abrigou partidas do CAN 2010 está sem água e energia e teve gerador roubado. Presidentes de clubes e jogadores lamentam situação.

Relva seca, balneários entupidos, telhado a desabar. É neste estado que se encontra o imponente Estádio Nacional da Tundavala, em Angola, que albergou a série D do Campeonato Africano das Nações de Futebol, o CAN 2010. Orçada em 70 milhões de dólares, a estrutura está votada ao abandono.

Atualmente, restam apenas memórias dos dias áureos em que o recinto localizado na cidade do Lubango, no sul do país, recebeu os Palancas Negras, a selecção angolana de futebol, e estrelas internacionais, como o camaronês Samuel Eto’o.

Até as bombas de distribuição de água para a irrigação do relvado estão avariadas, segundo Tchivanguluka José Fernandes, um dos poucos funcionários que ainda trabalha no local.

“O estádio passa por um processo de degradação fundamentalmente face à inexistência de bombas de distribuição de água para abastecer o estádio. Elas tiveram um tempo de vida até dois anos atrás e nunca foram substituídas”, relata.

Para piorar a situação, o único gerador que existia no estádio desapareceu, deixando o espaço sem energia e sem água.

Além da falta de verbas para a manutenção do estádio, também há problemas de pagamento de salários. Segundo uma fonte ouvida pela DW África, que pediu o anonimato, vários funcionários foram-se embora, porque os seus ordenados não eram pagos há mais de um ano.

Abandono

Os representantes dos principais clubes de futebol da Huíla lamentam a situação. “Muitas vezes só temos o gerador e, quando temos o gerador, não temos combustível e, quando temos combustível, às vezes não temos insecticidas para desinfectar a relva”, reclama o presidente do Benfica Petróleos do Lubango, Jacques da Conceição.

“Temos de nos adaptar à realidade e a realidade é esta. Vamos agora procurar soluções”, diz Ezequias Domingos, director administrativo do Clube Desportivo da Huíla.

Quanto ao desaparecimento do gerador, a Polícia Nacional na Huíla emitiu um comunicado a informar que está a trabalhar para esclarecer a situação. A Direcção Provincial da Juventude e Desportos e o Governo da província ainda não vieram a público para dar uma explicação sobre os problemas do Estádio Nacional da Tundavala.

José Eurico Garcia, jogador de futebol, critica o silêncio das autoridades. “Este tipo de atitude é grave e certamente só contribui para que os problemas se agudizem em vez de serem resolvidos. Aqui é preciso haver um basta para ver se mudamos esta situação”, afirma. (DW)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA