Espanha: Rajoy obtém apoio dos liberais em esforço para formar novo governo

Mariano Rajoy (AFP)

Os conservadores espanhóis asseguraram neste domingo o apoio dos liberais do Ciudadanos, mas sem alcançar ainda a maioria necessária para que seu líder, Mariano Rajoy, forme um novo governo e tire o país da paralisia política.

O Partido Popular (PP, direita) e o Ciudadanos assinaram neste domingo, após mais de uma semana de intensas negociações, um acordo que dá a Rajoy os 32 votos do pequeno partido liberal na votação de candidatura que ocorrerá na quarta-feira no Congresso espanhol.

De toda forma, o líder conservador continua sem contar com o apoio necessário para ter sucesso, o que anuncia a continuação do bloqueio político de mais de oito meses na Espanha após duas eleições legislativas, em Dezembro de 2015 e em Junho passado, e aumenta a possibilidade de que seja necessário convocar uma terceira eleição, que seria realizada no dia de Natal.

“Hoje damos um passo muito importante adiante”, declarou em colectiva de imprensa Rajoy, após a assinatura do pacto, embora tenha admitido que “isto é insuficiente”.

Rajoy, no poder desde 2011, disse que irá ao debate de candidatura com o apoio de 170 deputados (137 do PP, 32 dos Ciudadanos e um de um pequeno partido canário), seis apoios a menos do que o necessário para obter o voto de confiança da Câmara Baixa (350 cadeiras) na primeira votação.

Um segundo turno ocorrerá na sexta-feira, quando precisará somar mais “sim” do que “não” para sua candidatura, mas, previsivelmente, fracassará se os socialistas do PSOE não se abstiverem .

O partido socialista, com 85 deputados, tem se mantido firme no “não” a Rajoy.

Rajoy anunciou que, na segunda-feira, irá se reunir com o líder dos socialistas, Pedro Sánchez, para tentar convencê-lo de mudar de posição.

“Se continuarmos atrasando a formação de um governo poderemos gerar problemas na economia” espanhola, advertiu Rajoy.

A economia espanhola registou no segundo trimestre um crescimento anual de 3,2%, um dos ritmos mais elevados da União Europeia (UE), mas mantém um alto nível de desemprego, de 20%, o pior da região, ficando atrás apenas da Grécia. (AFP)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA