Donald Trump “sacode” equipa que faz a campanha eleitoral

(Foto: D.R.)

Antigo lobbista que teve Jonas Savimbi entre os seus clientes, supunha-se que James Manaforte viria a gerir a campanha até às eleições gerais de Novembro próximo. Porém e embora mantenha o cargo de director-Geral da campanha, Manafort foi literalmente esvaziado.

O seu esvaziamento coincide com uma vaga de maus resultados tanto para ele quanto para Dois meses depois de ter exonerado Corey Lewandosky, o homem que o “preparou” para as primárias, Donald Trump voltou a mexer na equipa que faz a sua campanha. Desta vez a “vítima” foi James Manafort, personalidade que substituiu Corey Lewandosky Donald Trump “sacode” equipa que faz a campanha eleitoral Donald Trump. O candidato republicano regista há três semanas consecutivas quedas acentuadas nas sondagens, incluindo nos chamados estados voláteis, nomeadamente Pennsilvânia, Flórida e Ohio, onde supostamente o desfecho da eleição será decidido.

Sinal de crise, e ao contrário de todos os outros que concorreram às eleições, Donald Trump, só agora, e pela primeira vez, vai adquirir espaço de antena, em televisões de cinco estados, incluindo os três voláteis. Manafort, por sua vez, viu o seu nome citado numa investigação conduzida pelo Governo ucraniano, segundo a qual teria recebido pagamentos indevidos, feitos pelo antigo presidente ucraniano Viktor Yanukobych do qual foi lobbista.

De acordo com o The New York Times, os pagamentos foram feitos numa altura em que ele não era lobbista, o que, a confirmar- se, deixa-o em contravenção. Manafort negou que tivesse incorrido em irregularidades, o que não foi suficiente para evitar mais uma distração.

O NYT sugere também que Manafort “caucionou” a invasão russa à Crimeia, o que caiu mal. A notícia de que as autoridades americanas “acompanham” a investigação e o interesse mostrado pela imprensa indiciam problemas que poderão levá-lo a demitir-se. Por sua vez, e embora esteja a gozar de bons índices de popularidade, Hillary Clinton, tem razões de sobra para se preocupar.

Às preocupações decorrentes da suspeita de que espiões russos subtraíram informação sensível da página online do partido Democrata, junta-se a noticia de que o FBI respondeu favoravelmente ao pedido de senadores republicanos para que libertasse a entrevista e as notas que ela deu relativamente ao uso de um servidor privado para fins oficiais. (opais)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA