Diamantes angolanos renderam mais de 77 milhões de euros em Julho

(Reuters)

Angola produziu e vendeu 775.770 quilates de diamantes em todo o mês de Julho, num encaixe global de 87,9 milhões de dólares (77,6 milhões de euros), um aumento de quase 10% face ao registo de Junho.

Os dados constam de uma informação do Ministério da Geologia e Minas a que a Lusa teve acesso esta sexta-feira, 19 de Agosto, e indicam que as vendas de Angola cifraram-se, em média, nos 109 dólares por quilate, em Julho, contra os 105 dólares do mês anterior.

Os diamantes são o segundo produto de exportação de Angola, logo depois do petróleo, e de Junho para Julho essa produção aumentou, em quantidade, quase 2%, indicam os mesmos dados.

De acordo com o Ministério da Geologias, este aumento no volume é justificado com o incremento da produção da mina de Catoca, a quarta maior do mundo do género, enquanto a subida do preço do quilate é explicada pela “qualidade” dos mesmos, nomeadamente os provenientes dos projectos Lulo, Somiluana, Camutué e Luó.

Face ao mesmo mês de 2015, a produção está mais de 10% abaixo, enquanto o encaixe com estas vendas desceu, num ano, quase 24%, tendo em conta os anteriores 115,4 milhões de dólares (101,8 milhões de euros).

Só a produção da mina de Catoca, na província da Lunda Sul, garantiu 86% do volume de quilates do país e 59% no valor comercializado.

Entre outros projectos, a Empresa Nacional de Diamantes de Angola (Endiama), concessionária estatal do sector, já anunciou que a primeira fase de produção da nova mina de diamantes do Luaxe, no interior norte de Angola, “o maior kimberlito” descoberto no país e que poderá duplicar a produção nacional, arranca “nos primeiros meses de 2018”.

Juntamente com os restantes parceiros do contrato de investimento mineiro do Luaxe, a Endiama e os russos da Alrosa prevêem investir mil milhões de dólares (882 milhões de euros) naquela concessão, que poderá garantir uma produção anual de cerca de dez milhões de quilates.

A mina de Luaxe deverá representar reservas à volta de 350 milhões de quilates e conta com uma previsão de exploração de mais de 30 anos. (Negocios)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA