Dez anos de veneno europeu na Costa do Marfim

(AFP)

Foi há dez anos que o cargueiro “Probo Koala” despejou o seu carregamento tóxico na Costa do Marfim, causando a morte de pelo menos 17 pessoas. Mas o sofrimento da população perpetua-se.

O cargueiro tinha sido fretado pela empresa de matérias primas holandesa Trafigura de dispor dos detritos industriais tóxicos. Investigações já demonstraram que a direcção da Trafigura esteve directamente envolvida no escândalo. 31 000 vítimas receberam indemnizações, embora a empresa saliente que os pagamentos não são uma admissão de culpabilidade. O certo é que muitas das vítimas continuam a sofrer sequelas graves até hoje.

Quando chove em Akuedo, o veneno sobe à superfície na forma de uma massa escura que cheira a enxofre. Akuedo é um bairro pobre em Abidjan, a capital comercial da Costa do Marfim.

Inocent Kassi diz que a vida aqui sempre foi difícil. Mas para este habitante do bairro, o 18 de Agosto de 2006, a noite em que o veneno europeu chegou, mudou tudo: “Foi horrível. De repente começou a cheirar muito mal e pouco tempo depois deixámos de conseguir respirar dentro de casa. Saímos à rua mas aí ainda era pior. Refugiamo-nos em casa e tentámos respirar através de panos de algodão, toda a noite, cheios de medo. Foi horrível”.

O medo da poderosa empresa

Durante semanas, o cargueiro Probo Koala, alugado pela empresa holandesa-britânica Trafigura, velejou pelo Atlântico. A bordo levava dejectos industriais altamente tóxicos que não conseguiu descarregar em lado nenhum.

Finalmente, no porto de Abidjan, o lixo foi transferido para camiões e despejado, em segredo, em vários pontos da cidade. Como em Akuedo. Pelo menos 17 pessoas morreram de imediato, dezenas de milhares foram envenenadas.

Um dos habitantes, Thierry Gohore, conta: “Por causa do veneno houve aqui abortos espontâneos. Alguns bebés nasceram com defeitos e continua a acontecer. Até hoje sofremos as consequências todos os dias. E não temos o dinheiro para sair daqui”.

Desde 2006, a incidência de doenças respiratórias crónicas, erupções cutâneas e problemas de visão subiu tanto como os casos de cancro. Mas até hoje nenhum médico se atreveu a provar que existe uma ligação entre as doenças e os detritos tóxicos. Christine Melai, pensa que os médicos têm medo de serem processados pelos advogados da empresa.

Conluio ao mais alto nível

A vendedora de panos, que sofre de eczemas desde essa altura, gasta todo o seu dinheiro em medicamentos caros. Melai é uma das 30 000 vítimas que receberam o equivalente a mil euros de indemnização. Dinheiro que já há muito gastou em tratamentos caros: “Foi uma piada de mau gosto. Não basta dar uma soma única a pessoas contaminadas com veneno. Não há soma que chegue. Estou constantemente doente desde 2006”.

Sob pressão internacional, a Trafigura teve que acarretar com os custos da limpeza em Abidjan. Mas há cerca de cinco mil vítimas que ainda esperam pela compensação.

Volvidos dez anos, continua a ser incerto se a empresa tentou ocultar o perigo do carregamento desde o início e falsificou documentos para conseguir dispor do material tóxico de forma mais barata, enviando-o para África. Mas uma coisa é certa: o ex-presidente da Costa do Marfim, Laurent Gbagbo está diretamente envolvido no escândalo. (DW)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA