Cuando Cubango: Mais de 300 efectivos da Polícia concluem formação

Cuando Cubango: Comandante da PN entrega diploma ao efectivo (Foto: Armando Morais)

Trezentos e setenta e um efectivos da Polícia Nacional (PN), entre oficiais subchefes e agentes afectos ao Comando Provincial do Cuando Cubango, concluíram hoje, sexta-feira, a primeira fase do curso de superação e capacitação técnica e profissional em matéria de ordem pública, no âmbito da formação contínua programada para o ano 2016.

O facto foi tornado público hoje, em Menongue, pelo superintendente-chefe Augusto Tomás, director dos recursos humanos do comando provincial da PN, no encerramento do referido curso, numa cerimónia testemunhada pelo comandante provincial da PN e delegado do Ministério do Interior, comissário Domingos Ferreira de Andrade.

Augusto Tomás fez saber que no capítulo curricular, o curso envolveu quatro módulos, mormente formação militar, técnica, profissional e física, subdividido em oito disciplinas, sustentadas pelos respectivos conteúdos de ensino.

Informou a formação contou ainda com algumas actividades complementares, designadamente a ordem unida, continência e honras militares, armamento e preparação de tiro, regulamento de disciplina da Polícia Nacional, ética e deontologia policial, técnica policial, táctica das forças de segurança e preparação física e defesa pessoal.

Na ocasião, foi dissertada uma palestras sobre a lei de medidas cautelares, orientada pelos magistrados do Ministério Público da V Divisão da Região Militar Sul.

O oficial superior informou que os objectivos gerais da formação cingiram-se na superação e capacitação dos efectivos, conferindo-lhes habilidades, para que sejam capazes de desempenhar funções no âmbito das suas competências, actualização e fortalecimento dos níveis de conhecimento técnico-profissionais, de polícia face aos desafios actuais e futuros.

Quanto aos objectivos específicos, a formação permitiu doptar os efectivos de capacidades técnico-profissionais necessárias ao desempenho da função específica de agente de autoridade e consciencializa-los quanto a actuação correcta dentro dos parâmetros legais.

A formação serviu igualmente, segundo o responsável, para incutir no seio dos efectivos valores e uma cultura assente na disciplina, postura física e capacidade de relações humanas permanentes, com os cidadãos que sejam vítimas, suspeitos de crimes ou simples participantes.

De acordo com a autoridade policial, a acção formativa permitiu também garantir aos efectivos atitudes e valores inerentes ao comportamento ético e profissional exemplar, capaz de transmitir aos cidadãos a confiança e aceitação quanto ao dever de agente de autoridade.

Promover aos efectivos uma mentalidade respeito as leis, dedicação ao serviço público quanto ao cumprimento do dever de natureza policial, com isenção, bem como senso de responsabilidade, de acordo os padrões éticos, inerentes a função policial constaram igualmente dos objectivos específicos da formação.

Precisou que a acção formativa foi realizada em regime externo, na qual participaram 371 efectivos, entre oficiais, subchefes e agentes, seleccionados do Comando Municipal de Menongue e dos distintos órgãos e unidades do Comando Provincial da PN no Cuando Cubango.

Sustentou que as capacidades técnico-profissionais, evidenciadas pelos Recursos Humanos, o apoio técnico e material combinado com o tempo e espaço, bem, como os exercícios realizados, proporcionaram um grau de aproveitamento positivo em relação aos objectivos definidos no plano de formação contínua para o período 2016.

A formação realizou-se na Unidade da Polícia de Intervenção Rápida, situada em Menongue, com a duração de setenta dias úteis, tendo 540 horas lectivas, executadas nas vertentes teóricas e práticas, respectivamente. Foi ministrada por 15 instrutores com notáveis competências técnico-pedagógicas. (ANGOP)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA