Comunicação social chamada conceber programas de prevenção do cancro

Emília Rita - jornalista (Foto: Pedro Parente)

Os órgãos de comunicação social foram chamados na quarta-feira, em Luanda, a contribuir e solidarizar-se com o Programa do Centro Nacional de Oncologia de prevenção e combate do cancro com a elaboração de rubricas que alertem e sensibilizem a sociedade a aderirem as consultas de rastreio.

Este afirmação foi feita pela jornalista e palestrante Emília Rita, durante a Conferência Internacional sobre o Cancro, promovido pela Fundação Eduardo dos Santos (FESA) no âmbito do seu 20º aniversário e 74º do seu patrono, José Eduardo dos Santos.

Realçou que com a transmissão pelos órgãos de informação, como por exemplo, as rádios comunitárias, levar-se-á a mensagem as comunidades rurais e famílias, contribuindo, assim, na cultura dos cidadãos prevenirem-se do cancro e, evitar-se, assim, o aumento de óbitos causados por esta enfermidade, considerada um problema de saúde pública mundial.

Emília Rita aponta que as línguas nacionais terão de ser usadas nestes programas para que as mensagens sobre a doença atinjam até os cidadãos que usam os outros idiomas locais, com excepção do português.

A insuficiência de informação e recursos humanos qualificados, a falta de meios de diagnósticos e de registos de Cancro de base populacional são apontados como as principais causas dessa realidade. (ANGOP)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA