Cardozo entrega defesa de Dilma ao Senado e julgamento começa dia 25 de agosto

(Marcos Oliveira/Agência Senado)

Faltando apenas três minutos para o fim do prazo, o advogado da presidenta afastada Dilma Rousseff, José Eduardo Cardozo entregou às 13h37 desta sexta-feira (12) à Secretaria-Geral da Mesa do Senado, a contestação do chamado libelo acusatório, que é a contestação dos argumentos finais entregues pela acusação sobre o processo de impeachment.

Após a entrega do documento José Eduardo Cardozo conversou com a imprensa. Segundo Cardozo, o documento tem 673 páginas e a defesa fez um apanhado de todas as discussões que estão no processo de impeachment contra Dilma Rousseff.

“É a contrariedade do libelo. Nós, inclusive, explicamos na introdução da nossa peça, que embora o mais usual seja fazer uma contrariedade ao libelo mais enxuta, nós optamos por fazer uma síntese de todas as discussões que estão no processo. Nós incorporamos no libelo uma parte das nossas alegações finais, e também a crítica ao relatório Anastasia (Relator da Comissão Especial do Impeachment no Senado, Antonio Anastasia, do PSDB, de Minas Gerais), porque é a última oportunidade que nós tínhamos de nos manifestar por escrito nos autos.”

José Eduardo Cardozo disse ainda que a defesa vai convocar para o julgamento, as seis testemunhas a que tem direito, que são Gilson Alceu Bittencourt, ex-secretário de Planejamento Estratégico do Ministério do Planejamento; Nelson Barbosa, ex-ministro do Planejamento; Esther Dweck, ex-secretária de Orçamento Federal; Geraldo Luiz Mascarenhas Prado, professor da Universidade Federal do Rio de Janeiro; Luiz Cláudio Costa, ex-secretário executivo do Ministério da Educação, e o economista Luiz Gonzaga de Mello Belluzzo.

“Preferimos essas testemunhas que estiveram mais presentes em relação aos fatos e também aqueles que não puderam se pronunciar na primeira fase do processo porque foi negado pela comissão”, disse Cardozo.

A data do início do julgamento final de Dilma Rousseff foi marcada para o dia dia 25 de agosto a partir das 9h. A notificação foi entregue para José Eduardo Cardozo, assim que a manifestação da defesa foi protocolada.

Primeiro vão ser ouvidas as testemunhas de acusação, depois vão falar os advogados de acusação e defesa, e a própria presidente afastada. A expectativa é a de que a sessão dure entre três e quatro dias. Uma reunião na próxima semana entre o Presidente do Supremo Tribunal Federal, Ricardo Lewandoski e lideranças vai definir os ritos finais do julgamento. (SPUTNIK)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA