Administração da Quiçama reconhece dificuldades causadas por falta de estradas

Administração da Município da Quiçama (Foto: Clemente dos Santos)

O administrador do município da Quiçama, Vicente Francisco Soares, reconheceu que as dificuldades nas vias de acesso da Muxima para o interior da circunscrição têm impossibilitado que algumas comunas beneficiem dos programas do governo.

Em declarações à Angop, na quinta-feira, Vicente Francisco Soares reafirmou que os grandes problemas do município continuam ser as estradas e a grande extensão ocupada pelo Parque Nacional.

“ A Quiçama é um município quase virgem com inúmeras vantagens, mas também desvantagens. Se por um lado temos vantagens porque existem condições para produzir de tudo por outro lado encontramos algumas desvantagens, porque temos áreas, que devido a dificuldade de acessos, a população não beneficia dos serviços do governo”, lamentou.

Por ser um município com características especiais, com destaque para o Parque Nacional da Quiçama, os projectos a serem desenvolvidos localmente devem passar por um estudo de impacto ambiental, por isso enfrentam-se algumas dificuldades no trabalho da melhoria das vias de acesso.

Quanto aos acessos para as comunas de Kixinge que dista a 80 da sede municipal, Demba Chio (45) e Mumbondo (95) a situação será resolvida porque já há um projecto do Governo da Província de Luanda que orientou a contratação de três empresas que estão a fazer o levantamento para o trabalho de recuperação das vias.

O administrador reconheceu que a recuperação das estradas vai levar algum tempo, mas o que se pretende numa primeira fase é a criação de condições e garantir a ligação por estrada entre as comunas.

Destacou que a par da melhoria das vias de acesso existem programas para a indústria hoteleira enquadrados no Pólo Turístico de Cabo Ledo, assim como a agricultura na margem do Rio Kwanza.

Vicente Francisco Soares lembrou que o município produz vários produtos como as hortícolas e os tubérculos, mas existem muitas dificuldades para o escoamento dos produtos devido as vias de acesso, como é o caso do vale da Mulemba, de onde todos os dias saem camionetas para várias partes de Luanda.

Segundo o responsável, quer o Kixinge, Demba Chio e Mumbondo tem alta produção de hortícolas, mas o problema é maior são o escoamento dos produtos por falta de estradas.

Com uma superfície de 12 mil e 45 quilómetros quadrados, o município da Quiçama possui cinco comunas (Muxima, Cabo Ledo, Demba Chio, Mumbondo e Kixinge) e uma população estimada em 22 mil habitantes, que se dedica, maioritariamente, a actividade agrícola e a pesca artesanal.

O município tem como referências o Parque Nacional da Quiçama, que ocupa uma área de 9.600 quilómetros quadrados e uma fauna e flora diversificada.

Quiçama acolhe anualmente a peregrinação para a devoção a Nossa Senhora da Conceição, também conhecida como Nossa Senhora da Muxima, uma das mais veneradas e de maior devoção popular em Angola. (ANGOP)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA