Abertura dos mercados: Bolsas sobem. Petróleo e euro apreciam

(Bloomberg)

O arranque de sessão está a ser de ganhos generalizados nos mercados. Euro, petróleo, juros e bolsas está tudo a registar subidas ligeiras. A excepção está a ser o ouro e o índice japonês Nikkei, que caiu após serem conhecidos os dados da economia nipónica do segundo trimestre.

Os mercados em números

PSI-20 sobe 0,07% para 4.831,94 pontos

Stoxx 600 avança 0,06% para 346,31 pontos

Nikkei desvalorizou 0,30% para 16.869,56 pontos

“Yield 10 anos de Portugal sobe 1,6 pontos base para 2,718%

Euro aprecia 0,09% para 1,1172 dólares

Petróleo valoriza-se 0,79% para 47,34 dólares por barril em Lonres

Bolsas condicionadas por dados económicos

As bolsas do Japão caíram, depois de ter sido anunciado que a economia nipónica cresceu, no segundo trimestre do ano, 0,2% menos do que os 0,7% previstos pelos economistas. Ainda assim, o sentimento entre a maior parte dos índices é positivo esta segunda-feira, 15 de Agosto, com a maior parte das bolsas a negociar próximas de máximos de um ano, realça a Bloomberg. Os dados económicos divulgados nos EUA, por exemplo, continuam a levar os investidores a acreditarem na recuperação da economia. Ao mesmo tempo que a actuação dos bancos centrais tem acalmado as preocupações.

Na bolsa nacional, o PSI-20 segue com um ganho ligeiro de 0,07%, à semelhança do que se passa no resto da Europa. O índice nacional está a ser impulsionado pela Galp Energia, que já renovou um novo máximo de Setembro de 2014, e pela Jerónimo Martins.

Juros sobem ligeiramente em toda a Europa
Os juros das dívidas soberanas estão a subir ligeiramente no arranque da sessão um pouco por toda a Europa. A taxa de juro implícita na dívida portuguesa está a subir 1,6 pontos base para 2,718%, enquanto nas bunds alemãs a subida é de 0,7 pontos para -0,101%.

Euro com ganhos tímidos

A moeda única europeia está a subida contra o dólar, mantendo assim uma subida de 2,85% desde o início do ano. Os investidores continuam expectantes em relação a uma eventual subida de juros nos EUA, enquanto na Europa o Banco Central Europeu (BCE) continua a injectar estímulos na economia.

Petróleo prolonga ganhos

Os preços do petróleo continuam a subir, depois de terem registado a maior subida semanal desde Abril. Esta matéria-prima avança para um valor acima dos 47 dólares por barril em Londres, numa altura em que se especula que os produtores de petróleo vão voltar a negociar para estabilizar os preços. A contribuir para esta especulação está o facto de a Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP) ter decidido reunir-se em Setembro.

Ouro perde atractividade

O ouro está em queda pelo segundo dia consecutivo, com os investidores a reduzirem a sua exposição a esta matéria, depois de ao longo do ano ter vindo a registar fortes ganhos. Apesar da descida nos últimos dias, o preço do ouro continua 26% acima do preço a que estava no final do ano passado.

Destaques do dia

Alemanha aceita plano da Volkswagen para reparar modelos Polo e Seat Ibiza. O grupo Volkswagen anunciou este domingo que o Departamento Federal de Veículos a Motor alemão (KBA) autorizou a solução técnica para resolver o problema da manipulação das emissões dos modelos Polo e Seat Ibiza de 1,2 litros a diesel.

BCE autoriza nomes de administradores executivos da CGD mas rejeita poderes do novo presidente. O Banco Central Europeu autorizou os nomes dos administradores executivos da Caixa Geral de Depósitos que foram aceites pelo Governo, mas impede António Domingues de acumular a presidência da administração com o cargo de presidente-executivo, escreve este sábado o jornal Público.

IGCP avança com leilão de curto prazo de até mil milhões. Numa semana em que anunciou os resultados da emissão de obrigações do retalho, o Tesouro confirma o segundo leilão de dívida de curto prazo no trimestre. Em causa estão títulos a três e 11 meses, com uma procura entre 750 milhões e 1.000 milhões de euros.

O que vai acontecer hoje

Japão divulga dados do PIB do segundo trimestre.

Reino Unido publica dados sobre o mercado imobiliário. (Negocios)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA