UE denuncia a China na OMC por restringir exportações de matérias-primas

Plantação de arroz na cidade chinesa de Liaocheng (afp_tickers)

A União Europeia (UE) apresentou nesta terça-feira uma demanda contra a China ante a Organização Mundial de Comércio (OMC) por supostas restrições às exportações de matérias-primas.

Os Estados Unidos entraram na semana passada com uma acção parecida, acusando Pequim de inflacionar os preços de nove matérias-primas para favorecer suas empresas.

“As duas decisões precedentes da OMC sobre restrições às exportações chinesas são muito claras: essas medidas descumprem as regras internacionais de comércio. E como não vemos que a China actua para suprimi-las, devemos adoptar disposições legais”, afirmou em um comunicado a comissária europeia de Comércio, Cecilia Malmström.

A UE já havia aberto procedimentos contra as taxas de exportação de metais e matérias-primas, como bauxita, zinco e coque. A nova demanda é sobre grafite, cobalto, crómio, magnésio, antimónio, índio, cobre, chumbo, talco, tântalo e estanho.

Alguns desses (grafite, cobalto, magnésio, antimónio e índio) estão na lista de vinte matérias-primas “essenciais” para a economia europeia, apresentada em um relatório de 2013.

A China impões às exportações desses minerais uma série de taxas e cotas “que limitam o acesso a esses produtos por parte das empresas estrangeiras”, expôs o Executivo da UE.

As exportações chinesas dessas matérias-primas totalizam 1,2 bilião de euros anuais e a metade se dirige à UE. (AFP)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA