Tubarão branco da África do Sul corre risco de extinção

(AFP)

Os tubarões brancos da África do Sul enfrentam a ameaça de extinção, após um rápido declínio nos números de exemplares, causado pela caça de troféus, por redes para tubarões e pela poluição – de acordo com um estudo divulgado nesta quarta-feira (20).

O projecto de pesquisa realizado durante seis anos ao longo da costa do país revelou que entre 353 e 522 tubarões ainda estão vivos, metade do que se pensava.

“Os números na África do Sul são extremamente baixos. Se a situação continuar assim, os grandes tubarões brancos da África do Sul caminharão para uma possível extinção”, disse a autora do estudo e pesquisadora da Universidade de Stellenbosch, Sara Andreotti.

Os cientistas fizeram o censo com base na colecta de amostras de biopsias e de fotografias das barbatanas dorsais dos grandes predadores, inclusive na área de Gansbaai, perto de Cape Town, um dos principais pontos turísticos de mergulho em jaulas para ver os tubarões.

“Chegamos à conclusão de que os tubarões brancos da África do Sul enfrentaram um declínio rápido na última geração e que seus números podem já estar baixos demais para assegurar sua sobrevivência”, afirmou Andreotti.

Publicado na revista Marine Ecology Progress Series, o estudo também responsabilizou as redes para tubarões, a poluição dos oceanos e os anzóis na costa leste da África do Sul pela queda na população de tubarões brancos.

“As chances de sobrevivência são ainda piores do que pensávamos anteriormente”, advertiu Andreotti.

Os pesquisadores acreditam que 333 dos tubarões são capazes de se reproduzir.

Embora a população de tubarões brancos tenha diminuído na África do Sul, o estudo afirma que os animais ainda foram encontrados em grande número ao longo da costa de Canadá, Austrália e Estados Unidos.

Ataques de tubarões ocorrem com frequência no litoral sul-africano, em alguns casos provocando a morte de surfistas e nadadores. (AFP)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA