Seiscentos e 67 pessoas faleceram em acidentes de viação em Angola

Comandante-geral da Polícia Nacional, comissário-geral Ambrósio de Lemos (Foto: Lucas Neto)

Pelo menos 667 pessoas morreram e duas mil 865 ficaram feridas em dois mil 681 acidentes de viação ocorridos no segundo trimestre deste ano, no país, informou hoje, terça-feira, o comandante-geral da Polícia Nacional.

O comissário-geral Ambrósio de Lemos prestou a informação à imprensa no final de uma reunião da Conselho Nacional de Viação e Ordenamento do Trânsito, orientada pelo vice-presidente da República, Manuel Vicente.

Segundo o chefe da polícia, comparativamente a igual período no ano passado, registou-se uma redução de mil 159 acidentes, 317 mortos e 703 feridos.

Ambrósio de Lemos garante um contínuo trabalho no sentido de reduzir a sinistralidade rodoviária em Angola.

Considera como principais causas a imprudência, a condução sob efeito do álcool e algum mau estado das estradas, principalmente as nacionais.

Apelou à atenção dos automobilistas, que aproveitando o bom estado das estradas nacionais, excedem a velocidade e em caso de qualquer incidente, como o rebentamento de pneu ou a travessia de um animal, podem provocar o capotamento da viatura.

O comissário-geral Ambrósio de Lemos disse que, em colaboração com o instituto de estradas, há um trabalho de realce, apesar da actual situação financeira do país, para se melhorar o estado das vias para que sejam mais fluídas e, ao mesmo tempo, evitar acidentes.

Salientou que com o novo regulamento do trânsito se pretende estabelecer normas especiais para a circulação de transporte de cargas como explosivos e turbinas, que podem contribuir para incidentes nas vias.

Defende a necessidade de meios e normas especiais para estes meios, que incluam escoltas policiais para tais veículos.

Ambrósio de Lemos falou da necessidade de eficiência e eficácia na fiscalização da circulação rodoviária, bem como de equipamento adequado e formação dos efectivos para melhorar a segurança nas estradas do país. (ANGOP)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA