Sanções: Costa reconhece que situação “aparentemente não está muito simpática”

(Miguel Baltazar/Negócios)

O Público escreve esta quarta-feira, citando o primeiro-ministro, que se for aplicada uma multa superior a zero a Portugal, o Governo recorrerá para o Tribunal de Justiça da União Europeia.

O primeiro-ministro, António Costa, admitiu que “aparentemente não está muito simpática para Portugal” a questão das sanções europeias e garantiu recorrer aos tribunais comunitários se for aplicada uma multa ao país, em declarações publicadas hoje pelo jornal Público.

O diário escreve que Costa, em declarações ao jornal na terça-feira à tarde, afirmou que a situação “aparentemente não está muito simpática para Portugal”, admitindo uma mudança de posição por parte de comissários europeus que até há algum tempo tinham mostrado abertura para apoiar a aplicação de uma sanção simbólica a Portugal, de valor zero, por causa do défice excessivo de 2015.

Segundo o jornal, o primeiro-ministro ia ainda na terça-feira falar de novo com o presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, sobre este assunto.

A porta-voz do executivo comunitário, Margaritis Schinas, disse na terça-feira que o colégio de comissários vai regressar hoje, na sua reunião semanal, à situação orçamental, depois de ter tido uma primeira discussão, sem decisões, na quarta-feira passada.

Por fontes comunitárias e pela imprensa tem sido repetido que hoje deverá ser conhecida uma decisão acerca das multas a aplicar a Portugal e Espanha, que podem oscilar até um máximo de 0,2% do Produto Interno Bruto (PIB).

Os 0,2% do PIB traduzem, no caso de Portugal, uma verba próxima dos 370 milhões de euros.

O Público escreve hoje, citando o primeiro-ministro, que se for aplicada uma multa superior a zero a Portugal, o Governo recorrerá para o Tribunal de Justiça da União Europeia.

“Mantemos um registo de diálogo positivo e sem dramas, mas recorreremos, com base no mesmo argumento que os nórdicos têm utilizado, que é o de que vamos cumprir as regras, mas vamos discutir quais as regras e se as cumprimos ou não”, disse António Costa ao jornal, acrescentando que “ao contrário do que dizem, houve por parte de Portugal ação efetiva de combate ao défice”.

“Um desvio de 0,2 pontos percentuais não pode ser atribuído a falta de acção efectiva”, considerou o primeiro-ministro, numa referência ao défice de 3,2% em 2015, ou seja, 0,2 pontos percentuais acima do limite imposto pela Europa.

Para António Costa, “é incompreensível que os mesmos comissários que diziam que a acção do anterior Governo era exemplar queiram agora aplicar sanções por um desvio de 0,2 pontos percentuais, que é um desvio que não se pode controlar”. (Negocios)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA