Processo Kimberley exporta diamantes no valor de mais de USD 14 biliões

Job Graça - Ministro do Planeamento (Foto: Gaspar Dos Santos)

O Processo Kimberley (PK) exportou, em 2013, diamantes brutos no valor de 14,10 biliões de dólares, resultantes de 130,44 milhões de quilates, anunciou hoje, terça-feira, em Luanda, o ministro do Planeamento e do Desenvolvimento do Território, Job Graça.

Ao discursar na cerimónia de abertura da 13ª Plenária do Processo Kimberley, o governante sublinhou que em 2006, o PK controlou exportações no valor de 35,7 biliões de dólares, que correspondiam a cerca de 480 milhões de quilates, bem como emitiu, no mesmo período, 55 mil certificados.

Com este nível de monitorização, disse, a adopção do certificado inviolável permitiu impedir o processo de financiamento dos conflitos civis pelos rebeldes, produzindo, deste modo, alterações na correlação de forças militares, que tornaram viável o fim daquelas guerras e instauração da estabilidade político militar.

Acrescentou que a certificação permitiu igualmente a substituição do processo de acumulação de nefasto capital destrutivo, como armas, munições e outros meios bélicos, pelo processo de acumulação de capital, promotor do crescimento económico.

Fazendo um breve histórico sobre os motivos que levaram a criação do Processo Kimberley, Job Graça apontou Angola, Libéria e Serra Leoa como os países que, em 2000, viviam conflitos civis, cujo financiamento pelos rebeldes, apesar das sanções em vigor, preocupava as Nações Unidas.

Neste período, os diamantes produzidos nestes países foram considerados “diamantes de sangue”, pois serviam para alimentar conflitos e guerras em várias partes do mundo. Por isso, foi criado o PK como forma de se impedir o financiamento de conflitos por meio dos diamantes.

O sector diamantífero nacional actualmente, com um peso de cerca de 0,7 porcento do Produto Interno Bruto (PIB), a preços correntes, constitui, segundo o governante, um dos sectores que, apesar de ainda modesto dado o seu enorme potencial, contribui para a redução da pobreza e na melhoria do índice de desenvolvimento humano.

Hoje, à tarde, assim como quarta e quinta-feira, os técnicos e especialistas do mundo dos diamantes vão reunir-se em grupos de trabalho para fazerem o balanço de toda a actividade realizada nos últimos cinco meses.

Angola termina o seu mandato na presidência do Processo Kimberley a 31 Dezembro próximo. (Angop)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA