PCA do Fundo Soberano constata execução de projectos sociais

Benguela: PCA do Fundo Soberano de Angola, José Filomeno dos Santos (Foto: António Lourenço)

O Presidente do Conselho de Administração do Fundo Soberano de Angola, José Filomeno dos Santos, trabalhou terça-feira na província de Benguela, onde avaliou a execução de dois projectos sociais financiados em 2013, no montante global de mais de 600 mil dólares norte-americanos.

Trata-se de verbas para o projecto da Solidariedade Evangélica (Sole), que abrange o tratamento da vista, no valor de 310 mil dólares norte-americanos e outra, em igual montante, para tratamento de doentes afectados pela lepra.

José Filomeno dos Santos recebeu explicações dos responsáveis que velam pelos dois projectos, incluindo a exibição de “slides”, e posteriormente visitou as diversas áreas de atendimento e comoveu-se com o que viu.

“Um dos aspectos que tentamos apoiar é o da disseminação de mais informações sobre essas enfermidades (cegueira e lepra) para que os doentes se sintam, de certa forma, à vontade para transmitirem a sua condição e procurarem o tratamento necessário”, expressou.

Questionado sobre a possibilidade de renovação do financiamento, uma vez ter sido esgotado o período em avaliação (2013/Junho 2016), o responsável sublinhou que a instituição que dirige está a trabalhar com uma organização não governamental religiosa que depende de apoios diversos, pelo que acredita ser um acto, mormente neste período difícil na economia nacional que requer solidariedade de todos.

Considerou importante o projecto da Solidariedade Evangélica (Sole), que abrangeu com os seus serviços 12 províncias, nomeadamente Zaire, Cunene, Huambo, Bié, Cuando Cubango, Benguela, Lundas Norte e Sul, Cuanza Sul, Huila, Moxico e Uige.

Fez saber que Benguela conta ainda com outros financiamentos sociais do Fundo Soberano, especialmente na área de silvicultura, academia hoteleira e o projecto Kambadiame que já tem sustentabilidade própria.

Por seu turno, o secretário-geral da SOLE, Faustino Paulino Mandavela, reconheceu a importância do financiamento do Fundo Soberano, aludindo que mais de oito mil cirurgias de oftalmologia foram realizadas desde 2013 até a data, em parte, devido aos apoios em referência.

Afirmou que o financiamento tem permitido os técnicos se deslocarem em 12 municípios uma vez por trimestre, a fim de disseminarem a informação, com as condições de transporte, logísticas e de acomodação asseguradas. (ANGOP)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA