Nito Alves “mais cedo ou mais tarde seremos absolvidos”

Nito Alves, activista cívico angolan (DR)

Nito Alves, activista cívico angolano está desde ontem em liberdade provisória, sendo assim o último dos 17 “révus” condenados por tentativa de rebelião e associação de malfeitores a alcançar este estatuto.

Manuel Baptista Chivonde Nito Alves, condenado a quatro anos e meio de prisão e seis meses suplementares por injúria a magistrado, foi libertado esta terça-feira (5/07) estando doravante sob termo de identidade e residência, tal como desde 29 de Junho os outros 16 activistas condenados a 28 de Março por actos preparatórios de rebelião e associação de malfeitores.

Nito Alves afirmou em tribunal que o julgamento foi “uma palhaçada” o que lhe valeu seis meses de prisão suplementar, devendo ser libertado apenas a 8 de Agosto.

O activista Francisco Gomes Mapanda conhecido por “Dago Nível” foi igualmente condenado a 28 de Março a oito meses de prisão por crime de desacato, por ter dito a mesma coisa.

Nito Alves considera-o um “herói…pois o julgamento foi mesmo uma palhaçada…os juízes devem ser exemplos de democracia e não carrascos”.

Nito Alves que está “sereno e tranquilo” agradece à defesa, ao povo em geral e à sociedade civil que lutaram pela liberdade dos activistas, crê que “mais tarde ou mais cedo seremos absolvidos, mas não acredito no poder judicial do meu país”.

Para este activista o “desfecho depende do Presidente José Eduardo dos Santos…e dos homens da contra inteligência da Casa Militar, que controlam todo o processo dos révus, mas tem esperança divina e fé em Deus”. (RFI)

por Isabel Pinto Machado

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA